Frequência

Flag Counter

segunda-feira, 18 de abril de 2016

AMOR: DOM IRREVOGÁVEL

O amor divino mantém-se íntegro mesmo diante da rejeição, porém o amor humano é cheio de restrições e, com muita facilidade, sucumbe diante das menores adversidades. Nossas limitações, frequentemente, nos impedem de amar como Cristo nos amou. Vejamos o exemplo descrito em uma das famosas parábolas de Jesus, a do jovem rico: “Quando Jesus ia saindo, um homem correu em sua direção e se pôs de joelhos diante dele e lhe perguntou: "Bom mestre, que farei para herdar a vida eterna?" Respondeu-lhe Jesus: "Por que você me chama bom? Ninguém é bom, a não ser um, que é Deus. Você conhece os mandamentos: 'Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não enganarás ninguém, honra teu pai e tua mãe'". E ele declarou: "Mestre, a tudo isso tenho obedecido desde a minha adolescência". Jesus olhou para ele e o amou. "Falta uma coisa para você", disse ele. "Vá, venda tudo o que você possui e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me." Diante disso ele ficou abatido e afastou-se triste, porque tinha muitas riquezas.” (Marcos 10:17-22) Em se tratando de amar, por mais que nos esforcemos, sempre há de nos faltar alguma coisa. À semelhança daquele jovem, pode ser algo a que nos apegamos o que nos limita, ou alguma deficiência que nos restringe e nos impede de amar perfeitamente ao Senhor. É verdade que sempre há exceções a essa regra, pois há também outro registro nos Evangelhos: o caso da mulher pecadora cujo gesto de amor ficou na história, ao lavar os pés do Senhor com suas lágrimas e os enxugar com seus cabelos. Diante de todo o preconceito então sofrido e do mau juízo de Simão, bem como de muitos de seus convidados, Jesus a reconheceu publicamente como sendo dotada de muito amor. Aqueles a quem mais se perdoou, esses são os que mais amam . Em outra ocasião, enquanto sua irmã Marta, uma ativista, se ocupava com muitas coisas, quando uma só era necessária, aquela mesma Maria recebeu nova ação afirmativa da parte de Jesus por permanecer aos pés do Senhor e, assim procedendo, escolheu a melhor parte. Há muito ativismo religioso vazio de amor autêntico, especialmente no seio de muitas das “igrejas cristãs” , cuja retórica fala de amor só da boca para fora, pois suas práticas negam-lhe radicalmente a eficácia. “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.” Mateus 24:12 Felizmente e a despeito de tantas dessas nossas dificuldades de toda ordem, o Senhor Jesus Cristo nos ama incondicionalmente. “...E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” (Romanos 5:5-8) Esta é a esperança que não confunde e que, no revolto mar de nossas fugazes existências nesse mundo, devemos ter como âncora firme de nossas almas. “Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento ; Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; A qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, Onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.” (Hebreus 6:17-20) Ainda que pequemos, ainda que falhemos, mesmo que nos frustremos conosco mesmos ou com os outros, MAIOR É DEUS ! “Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos. Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade. E nisto conhecemos que somos da verdade, e diante dele asseguraremos nossos corações; Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas. Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança para com Deus; E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista. E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento. E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado.” (1 João 3:16-24) Roguemos, pois, continuamente, a Deus que nos habilite à prática desse amor em nosso cotidiano. FIEL É O QUE PROMETEU E ELE O FARÁ! Essa afirmação bíblica nos remete a outras que a confirmam: “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2:13) “Não erreis, meus amados irmãos. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.” (Tiago 1:16-17) “...pois os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis”. Romanos 11:29

Nenhum comentário:

Postar um comentário