Frequência

Flag Counter

quinta-feira, 27 de março de 2014

Apocalipse, Número da Besta e Anti-Cristo

Teoria Apocalíptica cristã baseada no Livro do Apocalipse Alguns teólogos cristãos evangélicos incluem um elemento religioso baseado em profecias da Bíblia, incluindo, mas não se limitando a, o livro do Apocalipse, o Livro de Daniel e do Evangelho de João, sobre a vinda do Anti-Cristo à implementação da Nova Ordem Mundial, assim como a subsequente batalha do Armagedom e a Segunda vinda de Cristo. Afirmam que os agentes de Satanás estão envolvidos em enganar a humanidade a aceitar uma ordem internacional demoníaca que Satanás e a Trindade Irreligiosa ( que representa Satanás, anticristo, e o falso profeta na escatologia cristã), no centro de culto. Estas crenças incluem muitas vezes o Milenarismo explícito. Os Illuminati apregoam a iminência da vinda do Anti-Cristo e o fim do mundo. Para os fundamentalistas cristãos tanto o Antigo como o Novo Testamento advertem que o ponto culminante da história seria marcado pela reunião das nações do antigo Império Romano na Europa; a restauração do estado de Israel (e a crescente hostilidade de todas as nações dirigida a ele); a implementação de um sistema governamental mundial-único; a imposição de um sistema monetário mundial sem dinheiro; o desenvolvimento de uma religião mundial sincretística, baseada no homem, e presidida por um falso profeta; a ascensão ao poder de um ditador mundial benigno, que (uma vez firmemente no controle eliminaria as liberdades individuais, demonstraria ferocidade e crueldade ferrenhas, e faria de si mesmo objeto de adoração); e a apostasia mundial, juntamente com a perseguição e execução ativa de cristãos fiéis. Outras ideologias, entretanto, não têm um componente religioso, e vêem o conceito de "serviço Satanás" metaforicamente. Os cristãos preteristas e os críticos argumentam que algumas ou todas as profecias bíblicas relativas ao Juízo Final referem literalmente ou metaforicamente para eventos que já aconteceram no primeiro século depois de Jesus nascer. Em sua opinião, o conceito da "hora final" refere-se ao fim da aliança entre Deus e Israel, e não o fim dos tempos, ou o fim do planeta Terra. Eles argumentam que profecias sobre o Arrebatamento, a contaminação do Templo, a destruição de Jerusalém, o Anticristo, a tribulação, a Segunda vinda de Cristo, e a Última Sentença foram cumpridas no momento ou durante o ano 70 quando os romanos (e futuro imperador) Tito saquearam Jerusalém e destruíram o templo judaico, colocando um fim permanente aos sacrifícios de animais diários. De acordo com esses críticos, muitas passagens do Novo Testamento indicam aparente com certeza que a segunda vinda de Cristo, e ao final do tempo previsto na Bíblia deviam ter lugar no seio da vida dos discípulos de Jesus: Mat. 10:23, Mat. 16:28, Mat. 24:34, Mat. 26:64, Rom. 13:11-12, 1 Coríntios. 7:29-31, 1 Coríntios. 10:11, Fel.4:5, Tiago 5:8 -9, 1 Ped. 4:7, 1 Jo. 2:18. Fonte: Wikipedia.com

Como capacitar mulheres para o Ministério

"...O ministério de nossas igrejas é terrivelmente incompleto sem as mulheres. Nossas igrejas precisam de mulheres que amem teologia valente, serviço corajoso e os rigores do aconselhamento baseado no evangelho. Isso é especialmente verdadeiro porque há algumas situações, especialmente ao ministrar para outras mulheres, nas quais mulheres são muito mais eficazes que homens..." Para saber mais: http://bit.ly/1g2CCvX

Disciplina na Igreja

"...a disciplina é necessária para manter a pureza da igreja e seu testemunho diante de um mundo vigilante. Isso não significa que colocamos uma máscara hipócrita de perfeccionismo, mas admitimos diante do mundo que a Palavra de Deus é o padrão para as nossas vidas e que somos verdadeiros cristãos — não perfeitos, mas perdoados..." Para saber mais: http://bit.ly/1ge5x03

domingo, 16 de março de 2014

SUBSTÂNCIA

"Ora, a fé é a SUBSTÂNCIA das coisas esperadas, a prova das coisas não vistas." (Hebreus 11:1 TB10) "...Se um acidente tem em si sua razão de ser, é ele substância. Ora, os adversários da substância não afirmarão que aquele tenha razão de ser em si mesmo. Então onde estará sua razão de ser? Sustentada pelo nada? Sustentada por alguma coisa que seja seu sujeito de inesão? Então afirmará a substância. Todas as razões apresentadas padecem de fraqueza. O fato de não ser a substância objeto sensível, não implica a sua não-realidade. Seria mister provar, e o exigiríamos apoditicamente, que só pode ter realidade o que é objeto sensível. E .onde encontrariam a razão suficiente de tal afirmativa os sensistas? A substância é por nós captada numa experiência conjugada com a razão. Nós vemos esta casa, mas, na verdade, não vemos a casa, como não vê a casa um cão. A casa é algo que já implica uma esquemática mental. O que vemos são os acidentes, que tal casa mostra. Para dizermos que isto é uma caixa de fósforos, que aquilo é uma árvore, que esse animal é um cão, já penetram ai conceitos, esquemas eidético-noéticos diversos, uma operação mental superior. Os sentidos podem ser a fonte de nossos conhecimentos, ou melhor estes principiam ali, mas são estruturados, segundo a esquemática fundamental da nossa mente sem dúvida, que capta, nas coisas, o que estas têm de essencial, o que nelas permanece sendo o que elas são. Imobilidade e imutabilidade não são da essência da substância. Nem permanência se identifica com aquele conceito. Os erros, que surgem sobre a substância nascem dessas confusões originando outros. Alguns proclamaram, como uma sentença definitiva, que o movimento vibratório e o ondulatório demonstrou de vez a invalidade do conceito de substância, que os medievalistas haviam construído. Convém não esquecer que o vibratório e o ondulatório são de alguma coisa que vibra ou ondula, e não do nada..." Fonte:http://www.tirodeletra.com.br/ensaios/Dicionario-Substancia.htm