Frequência

Flag Counter

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

BiosLogos - A Linguagem de Deus

Baixe o e-book e leia: http://www.gospeldownloads.com.br/index_ebook_artista_demonstracao.php?codigo=2175

NÃO TOQUEIS NOS MEUS UNGIDOS

“Não toqueis em meus ungidos, não maltrateis meus profetas” (Salmo 105.15, King James). Isaltino Gomes Coelho Filho No meu grupo de estudos teológicos em Monte Dourado, no Vale do Rio Jari (imponente tributário do majestoso Amazonas), alguém levantou esta questão de não tocar nos ungidos do Senhor, exatamente quando estudávamos Tito, no tocante ao caráter do obreiro. Comentei que o Salmo 105.15 vem sendo usado equivocadamente, para defender a intocabilidade de obreiros que esgrimem o texto para se colocarem acima da crítica. Eles são ungidos do Senhor e nada se lhes pode fazer, mesmo quando estão em pecado. A questão é que, embora os termos hebraicos sejam mesmo meshiahay e nabhyay (“meus ungidos” e “meus profetas”), a alusão não é a uma classe de homens, como os profetas quando da profecia já institucionalizada, e sim a família eleita, os patriarcas até Jacó. O contexto é bem claro: todo o salmo alude a Israel no Egito. A ordem para não tocar nos ungidos e profetas do Senhor, no texto, foi dirigida às nações pagãs, por onde a família eleita peregrinou, antes de chegar ao Egito. São os episódios envolvendo Abraão, Isaque e Jacó em seus conflitos com seus vizinhos. Esses vizinhos deviam saber que não podiam tocar na família ungida, os ungidos e profetas de Deus. O episódio de Gênesis 20.1-7 elucida isso bem. Não se podia tocar em Sara. Em Gênesis 20.7 aparece, pela primeira vez, o termo “profeta” (nabhi) e é aplicado a Abrão. Os ungidos e profetas intocáveis e não maltratáveis, no texto, são os patriarcas. Não o pastor do século 21. Tanto é assim que à frente dos meshiahay e nabhyay, os ungidos e profetas, foi enviado “um homem, José, vendido como escravo” (v. 17). Ele salvou os ungidos e profetas da fome, ao introduzi-los no Egito. Minha preocupação não é ser do contra nem mostrar que todo mundo está errado. É, isso sim, alertar para que textos bíblicos não sejam usados fora do contexto para provar teses para as quais eles não foram destinados. O pastor deve ser respeitado e obedecido (Hb 13.17). Quando faz seu trabalho bem feito deve receber salário em dobro. O “dupla honra” (diplês timês), de 1Timóteo 5.17, significa “dobrados honorários”, como bem traduziu a King James.O pastor há que ser respeitado e bem pago. Mas não está acima da crítica e não é intocável. A igreja local tem autoridade sobre ele, bem como tem autoridade sobre todos os crentes. Aliás, é preciso resgatar a autoridade da igreja. Ela não está subordinada a pessoas, mas ao seu Senhor, e seus membros estão debaixo da autoridade dela. Mas o confortador é saber que Deus adverte ao mundo para não tocar nos que são seus, no seu povo. A igreja de Jesus se compõe de homens e mulheres que são os ungidos e os profetas de Deus neste mundo. Quando se encontrou com Saulo no caminho de Damasco, Jesus não lhe perguntou por que ele perseguia os membros da seita O Caminho. Perguntou-lhe: “Por que me persegues?” (At 9.5). A perseguição que Saulo fazia aos seguidores de Jesus era vista pelo Senhor como uma perseguição a ele, o Senhor. Ele toma as dores do seu povo. Se o pastor for perseguido por membros da igreja que se lembre que o Senhor Jesus vê e acerta as contas com aqueles membros da igreja. Eu, particularmente, sem ser o queridinho do Papai do céu, experimentei isso. Deixei com Deus para que cuidasse da situação. Ele cuidou. O tempo é o segundo melhor juiz dos eventos (o primeiro é Deus) e mostra quem é quem. Pastores: lideremos nossos rebanhos, mas sejamos humildes para reconhecer nossos erros e evitemos colocar-nos acima da crítica. Ovelhas: respeitem, amem e honrem seus pastores. Dêem-lhes sustento digno. Pastores e ovelhas: o Senhor cuida de nós. Não briguemos. Entreguemos a Deus. Mundo: respeite o povo de Deus.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

POR QUE JESUS DOBROU O LENÇO. O LENÇO DOBRADO (João 20:7)

Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Poucas pessoas já haviam detido a atenção a esse detalhe. Em João 20:7 - nos diz que o lenço que fora colocado sobre a face de Jesus, não foi apenas deixado de lado, como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos dizer que o lenço foi dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo, na manhã de domingo, Maria Madalena foi à tumba e descobriu que a pedra da entrada havia sido removida. Ela correu ao encontro de Simão Pedro e outro discípulo... aquele que Jesus tanto amara {João} e disse-lhe ela: - "Tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde o levaram." Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver... O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá chegou primeiro. Ele parou e observou os lençóis, mas ele não entrou no túmulo. Simão Pedro chegou e entrou. Ele também notou os lençóis ali deixados, enquanto que o lenço que cobrira a face de Jesus estava dobrado, e colocado em outro lado. Isto é importante? Definitivamente sim! Isto é significante? Certamente que sim! Para poder entender a significância do lenço dobrado se faz necessário que entendamos um pouco a respeito da tradição Hebraica daquela época. O lenço dobrado tem que a ver com o Amo e o Servo, e todo menino Judeu conhecia essa tradição. Quando o Servo colocava a mesa de jantar para o seu Amo, ele buscava ter certeza em fazê-lo exatamente da maneira que seu Amo queria. A mesa era colocada perfeitamente, e o Servo esperava, fora da visão do Amo, até que o mesmo terminasse a refeição. O Servo não podia se atrever, nunca, a tocar na mesa antes que o Amo tivesse terminado a sua refeição. Diz a tradição que: ao terminar a refeição, o Amo se levantava, limpava os dedos, a boca e sua barba, e embolava o lenço e o jogava sobre a mesa. Naquele tempo o lenço embolado queria dizer: "Eu terminei". No entanto, se o Amo se levantasse e deixasse o lenço dobrado ao lado do prato, o Servo jamais ousaria tocar na mesa porque, o lenço dobrado queria dizer: "Eu voltarei!" Autoria desconhecida.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

A Fidelidade de Deus

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel". Deuteronômio 7:9. A fidelidade é um dos atributos de maior conforto e doçura. A fidelidade pertence a Deus; a inconstância caracteriza o homem pecador. A fidelidade de Deus é uma verdade prática ao crente. É travesseiro para a cabeça cansada, estímulo ao coração que desfalece e apoio para os joelhos fracos. Em todas as exigências da vida, podemos contar asseguradamente com Ele. Ele nunca decepcionará a alma que confia. Sua fidelidade nunca falhará. A fidelidade de Deus, juntamente com Seu imenso poder é nossa esperança eterna. Os homens nos decepcionam por falta de fidelidade ou poder. Mas podemos olhar além das ruínas causadas pela infidelidade dos homens, e avistarmos Um que é grande em fidelidade. Podemos ficar certos que "Porque fiel é o que prometeu". Hebreus 10:23. Infidelidade é uma das características que se sobressai nestes dias maus. Quem nunca sofreu nas mãos de homens infiéis? E, onde está o homem que de uma maneira ou outra, não seja culpado deste pecado? No mundo econômico quase todas as falhas são resultado de devedores ou empregados infiéis. No setor social, a infidelidade conjugal tem se tornado um terrível mal. Os sagrados laços do matrimônio são rompidos com a facilidade de quem joga fora roupas velhas. No mundo político, as promessas antes das eleições são quebradas com a mesma facilidade com que foram feitas. Nas negociações internacionais, os acordos são considerados como simples folhas de papel. E no setor religioso, a infidelidade é tão notável quanto em qualquer outro setor. Multidões que professam crer na Bíblia ignoram grandes porções dela, pronunciando outras partes como antiquadas, e com explicações tentam desfazer o que está escrito. ENOJADO COM A HUMANIDADE Um repórter de um dos grandes noticiários americano, que havia testemunhado a batalha de Alcazar numa Espanha regada pela guerra e ensopada com sangue, ainda hospitalizado, falou com o chefe no outro lado do oceano e disse: "Estou enojado com a humanidade". A raça humana começou a se degradar no Jardim do Éden pela sua infidelidade ao Criador, e pelo mesmo pecado, destrói a si mesma. Aqui está uma pergunta com que podemos sondar o nosso coração: Temos sido motivo de tristeza a outros por motivo de nossa infidelidade? Será que esposa, marido, filhos, pais, vizinho, pastor, irmão, ou outra pessoa qualquer já se entristeceu por nossa infidelidade? Lembre-se que as lágrimas causadas por nosso maltratar são guardadas no odre de Deus para serem evidência no dia de julgamento. Salmo 56:8. O DEUS FIEL Há alguém que é grande em Sua fidelidade. A fidelidade é uma perfeição em Deus pela qual Ele é fiel à sua Palavra e a todos os Seus concertos. Ele nunca quebra um contrato consigo mesmo nem com Suas criaturas. O que Ele propôs, isto fará, e o que prometeu, isto executará. A mentira é um dos pecados que mais prevaleceu em todos os tempos. Foi o acreditar numa mentira que arruinou toda a raça humana. Adão e Eva deixaram a Palavra de Deus e seguiram o pai das mentiras. E todos os seus filhos seguiram no mesmo caminho. Os filhos de Israel, literalmente rogavam, no passado distante, aos profetas a pregarem mentiras a eles. Eles clamavam: "Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e vede para nós enganos". Isaías 30:10. Em nossos dias, a palavra mentira se camuflou com o termo "propaganda". Conta-se que em Sião quem fosse pego contando mentira teria a boca costurada por três dias. O Irmão R. G. Lee diz, que se esta fosse a lei aqui em nosso país, muitos homens de negócios não poderiam atender ao telefone, e que muitas senhoras andariam com lindos bordados na boca. A inclinação de contar e acreditar numa mentira é um dos fatos mais surpreendentes na história da humanidade. Da boca de um só Homem, nunca saiu nenhuma mentira. E este foi o Deus-Homem, Jesus Cristo, a verdade encarnada. Isaías 53:9. DEUS É FIEL A SI MESMO A respeito de Deus lemos que "Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo". 2 Timóteo 2:13. Isto significa que Ele efetuará tudo o que propôs. Romanos 8:28 diz que tudo opera para o bem dos que amam a Deus e são chamados segundo seu propósito. Lá na eternidade anterior, havia um povo que dantes conheceu e predestinou a quem Deus propôs chamar e justificar e glorificar. Esta era uma proposta secreta, conhecida somente por Deus. Não havia promessa dada ao homem, pois este nem sequer existia ainda. Portanto, se Deus não chamasse, justificasse e glorificasse os dantes conhecidos e predestinados, Ele não seria fiel nem verdadeiro a Si mesmo. Seria como o homem que se propôs a fazer uma coisa, e depois falhou por inconsistência ou por incapacidade. Deus é fiel ao Seu próprio propósito, e tem amplo poder para a execução de Seus planos. "E segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes"? Daniel 4:35. DEUS É FIEL A SEU FILHO Existem certas promessas feitas a Cristo, que é simbolizado por Davi espiritualmente, com a condição de que executasse Seus deveres como Mediador do novo concerto. E Deus jurara não mentir a Davi, isto é a Cristo, o Davi espiritual. Ele veria Sua semente e o labor de Sua alma e ficaria satisfeito. Em relação ao concerto da graça, do qual as três pessoas da Trindade fizeram parte, não podemos fazer melhor que citar B. H. Carroll: "Antes de haver o mundo, um concerto de graça e misericórdia foi feito pelo Pai, Filho e Espírito Santo, cujas evidências são plenas no N. T., e a parte a ser executada por cada um são claramente definidas, a saber: A graça do Pai em concordar que seu o Filho viesse, suas obrigações para com o concerto de dar uma semente ao Filho, Sua presciência desta semente, Sua predestinação da semente, e a justificação e adoção destes em bom tempo. O concerto do Filho inclui a obrigação de assumir a natureza humana em Sua encarnação, voluntariamente renunciando à glória que tinha com o Pai antes do mundo? para tornar-Se obediente até a morte e morte de cruz. A consideração como esperança à Sua frente, induzindo-O a suportar a desgraça da cruz, e o galardão dado pela obediência, foi Sua ressurreição, Sua glorificação, Sua exaltação ao trono real de sacerdote e Seu investimento com direito a julgar. E as obrigações do Espírito Santo eram de aplicar Sua obra de redenção em chamar, convencer, regenerar, santificar e levantar dos mortos a semente prometida ao Filho. Tudo isto mostra que o plano de salvação não foi um pensamento secundário; que as raízes dele na eleição e predestinação estão tanto na eternidade quanto da existência do mundo, e os frutos dele estão na eternidade após o julgamento. O crente deve considerar esta corrente, testar cada elo, sacudi-la e ouvir seu som, ligado de eternidade à eternidade. Cada um que Deus escolheu é atraído pelo Espírito a Cristo. Cada um predestinado é chamado pelo Espírito em tempo, justificado em tempo e será glorificado quando o Senhor vier". A MORTE DE CRISTO NÃO FOI UMA EXPERIÊNCIA A morte de Cristo não foi uma experiência, incerta nos resultados. A obra do Espírito Santo não é mera tentativa para ver o quanto Ele pode efetuar. Jamais poderíamos aprovar a doutrina dum Pai infiel, um Espírito Santo derrotado e um Filho decepcionado. Cremos num Deus fiel, num Espírito Santo invencível e num Cristo vitorioso. Spurgeon diz: "Creio firmemente que toda alma pela qual Cristo verteu Seu sangue como substituto, Ele reivindicará como Sua, e terá como Sua por direito. Amo esta verdade e deleito-me em proclamá-la. Nem todos os poderes da terra ou inferno, nem a obstinação da vontade humana, nem a profunda depravação da mente humana, podem impedir Cristo de ver o labor de Sua alma e de ficar satisfeito. João 6:13-40. Mas, melhor ainda são as palavras proferidas pelos lábios da Verdade em carne... ouçam-na: "Todo que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia". João 6:37-40. A BASE DE NOSSA SEGURANÇA A base da nossa segurança é a fidelidade de Deus a seu Filho. "Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor". 1 Coríntios 1:9. De acordo com o concerto, Jesus Cristo teria companheiros. Pelo chamado de Deus (o chamado eficaz do Espírito pela Palavra) fomos primeiramente admitidos na comunhão com Cristo, e o objetivo final é nossa presença com Ele na glória. E isto é garantido pela fidelidade de Deus, que nos confirmará no fim (1 Coríntios 1:8), pois os chamados serão justificados e glorificados. Os que Ele chamou e justificou estão seguros enquanto Deus for fiel à Sua Palavra para com o Filho. Livrar-se da correção depende da boa conduta do crente, mas a certeza da glória se baseia na fidelidade de Deus para com Seu Filho. "Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nos meus juízos, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara, e a sua iniqüidade com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade. Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez jurei por minha santidade que não mentirei a Davi. A sua descendência durará para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim". Salmo 89:30-36. Que firme fundamento para nossa fé! Nossa segurança não jaz em nossa fidelidade a Deus, mas na fidelidade de Deus ao Seu Filho. ALELUIA! DEUS É FIEL A SEUS SANTOS Deus fez promessas aos crentes pobres, fracos e entristecidos que creram no Senhor Jesus Cristo e Ele, fielmente, cumprirá cada promessa que fez. "Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento". Romanos 11:29. Isto significa que Deus é fiel às Suas promessas do concerto, e não falhará na glorificação dos que chamou. Todas as promessas de Deus em Cristo são "sim" (certas) para que cada crente possa dizer "amém" à glória de Deus. 2 Coríntios 1:20. PRESERVAÇÃO Deus é fiel na preservação de Seu povo. "Porque o Senhor ama o juízo e não desampara os seus santos, eles são preservados para sempre". Salmo 37:28. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que, mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai". João 10:27-29. Aquele que é preservado não tem o poder para guardar-se a si mesmo. Os santos são fracos, mas são guardados pelo poder de Deus. 1 Pedro 1:5. A promessa de Deus ao crente é a vida eterna. E isto não significa existência eterna, mas favor ou justificação eterno para que ele nunca mais fique debaixo da condenação. João 5:24. "E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará". 1 Tessalonicenses 5:23-24. Aqui jaz a completa santificação e livramento do pecado e isto pela dependência do crente na fidelidade de Deus. Os chamados não são apenas justificados, mas também glorificados, pois Deus é fiel. Deus nunca chamaria os pecadores com o chamado eficaz de vida eterna para depois deixá-los pelo meio do caminho que leva à glória. A obra de Deus para com Seus santos é perfeita. Aqueles que fugiram da tempestade da ira divina, têm a Palavra de Deus, e Seu juramento como base de esperança, estas duas coisas sendo imutáveis, nas quais Deus não pode mentir. DISCIPLINA Deus é fiel ao disciplinar Seus filhos. "Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste". Salmo 119:75. Aqui Davi submete-se à disciplina de Deus e a aceita como justa e boa. Na teologia de Davi não havia lugar para sorte nem chance. Ele cria que tudo o que acontecia, era ordenado por Deus. Suas aflições foram grandes, mas ele via a mão de Deus em todas elas, e acreditava serem para o seu próprio bem. Ele ainda acrescenta que Deus era fiel em mandá-las. Deus estava operando para o bem de Davi, e sabia o que ele necessitava. Deus é tão fiel aos Seus em discipliná-los quanto em preservá-las. Deus não é um Eli indulgente e infiel. Ele não permitirá que Seus filhos pequem sem serem disciplinados. "O que faz uso da vara odeia seu filho; mas o que o ama, desde cedo o castiga". Provérbios 13:24. Devemos louvar a Deus por Sua fidelidade em nos açoitar, a fim de levar-nos de volta a Si mesmo e às veredas da obediência. Os santos têm certas tendências das ovelhas e são propensos a se desviarem. Deus é o fiel pastor que sabe usar a vara para levar-nos de volta ao rebanho. Ouça a Davi, novamente: "Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra". Salmo 119:67. E a doutrina permanece a mesma, seja no Velho ou no Novo Testamento. Em Hebreus 12:11, lemos: "E, na verdade, toda correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela". Temos esta gloriosa verdade escrita por um dos puritanos, Thomas Washburn (1606-1687): À medida que o santo cresce na sabedoria da verdade quanto a Deus e ao homem, ele repudiará a si mesmo e admirará mais e mais a Deus. Quando a verdade a respeito de Deus e do indivíduo se interiorizarem, então faremos o que é justo, amaremos misericórdia, e andaremos em humildade diante de Deus. Miquéias 6:8. Ó, quanto nós, Seus filhos comprados com sangue, devemos ser fiéis Àquele que jamais faltará em fidelidade para conosco! Isto é o que Ele requer de nós como mordomos de Seus bens. Pouco importará quando morrermos, se tivemos riquezas e honras neste mundo, mas importará grandemente se fomos fiéis ao nosso Redentor. Que a fidelidade de Deus produza em nós, fontes donde corram águas de fidelidade em Seu serviço glorioso. Autor: C. D. Cole Revisão 2004: David A Zuhars Jr Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

domingo, 9 de setembro de 2012

sábado, 8 de setembro de 2012

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

A soberania de Deus e a contingência do mundo

http://edrenekivitz.com/blog/2011/03/soberania-de-deus-contingencia-mundo/ Reproduzo abaixo o comentário de walber aguiar, postado em 07/04/2011 às 23:40: "Sou discípulo de Jesus, em primeiro lugar. dei aula de educação religiosa, educação artística, sociologia, filosofia, história e geografia, redação, português e por aí adiante. Li de Garcia Morente a Marx, de Sócrates a Nietzsche, além das escrituras, a vontade revelada de Deus. Nao há divergência entre crer e pensar. Não há fissuras ou divorciamento entre fé e razão, entre intelecto e o ensino manifestado na verdade revelada de Deus. Ser crente não significa ser burro e crer na Divindade com categorias racionais não quer dizer que a fé esteja sendo negada. quem faz com que as coisas pareçam divorciadas é o estrangulamento da fé simples pelo humanismo exacerbado e suas implicações no cotidiano existencial. Ed descreve e fala sobre o que ele pensa, na ânsia de aproximar o que faz sentido na palavra revelada e na palavra dele como pensador cristão e defensor da fé. Fez um comentário bastante equilibrado, pois em nenhum momento pareceu hipercalvinista ao transformar o homem num boneco, nem arminianista, que diz ter o homem poder pra querer e manipular Deus ao seu bel-prazer. Ed joga luz sobre questões obscuras, não atribui a Deus um caráter sádico, muito menos assevera que Deus se aliena e se isola do processo histórico. Entendo que a verdade de Deus não deve ser helenizada, mas vivida com amor extremo, segundo Tessalonicenses, quando Paulo diz que devemos trabalhar para ter com que acudir o necessitado. o que passar disso é especulação sem graça e erudicionismo enfadonho e em nada nos edifica. Deus é soberano, Deus é amor, Deus é soberanamente justo e bom. É imperativo que vivmos o Evangelho de Jesus e não queiramos cirurgiar Deus, muito menos colocá-lo num tubo de ensaio ou na finitude de nossa mente. Deus está além de nossos pensamentos, seus caminhos são mais altos que os nossos. Walber Aguiar. Poeta, professor de filosofia, historiador e membro da Academia Roraimense de Letras."

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Princípio eficaz de saneamento público

VERSÍCULO DO DIA Êxodo 23:25 - E servireis ao SENHOR vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de vós as enfermidades. Amém.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Anônimo

15 de julho de 2012 | Mensagem “Então, propuseram dois: José, chamado Barsabás, cognominado Justo, e Matias.” (Atos 1:23 ARA) Se alguém puder me ajudar eu agradeço. Procurei intensamente e não encontrei nenhuma menção de Matias antes desse versículo, nem com nomes equivalentes (era comum na época ter dois nomes). Pelo menos na Bíblia não encontrei nada. Quem era esse irmão e para onde foi depois disso? Tão anônimo era antes quanto ficou depois, pois some no verso 26 e não se encontra mais. Se lermos os versículos 21 e 22 vamos ver os critérios de escolha que apontaram para Matias e então aprendemos algumas riquezas. Ele andou com Jesus desde o início e testemunhou sua ascenção, desde o batismo de João. Ou seja, era um daqueles que sempre esteve ali mas nunca se destacou. Meu irmão, eu já perdi ovelha na igreja por muito muito menos do que isso. Por não ter mais um cargo, por mudarem os tapetes, por cada coisa simples. Esse Matias não era um dos 12, talvez fosse o 13º ou o 70º dos 70, mas estava lá e não desistiu. O dia dele chegou, afortunadamente, mas poderia nem ter sido ele o escolhido e sim o tal do José Barsabrás, que, por sinal, preencheu os mesmos requisitos e não foi escolhido. Meu Deus, os caras estavam lá fazendo tudo certo e ficaram anonimos, totalmente despercebidos dos historiadores, sem qualquer registro ou reconhecimento. Querido, isso me ensina muito, mas muito mesmo, sobre humildade e foco. Se fazemos as coisas para nossa satisfação ou alegria das pessoas, desistiremos. Não importa se somos reconhecidos, se alguém nos agradece, se temos cargo, se somos remunerados, se há qualquer coisa que nos tire do anonimato. NAO IMPORTA. Se estamos bem com Deus e focados na missão, basta seguir em frente. Eu comecei escrevendo devocionais para uns 200 assinaturas que hoje são milhares e confesso que, às vezes, recebo 8 ou 9 comentários de quase 70.000 pessoas. Não importa, o recado está sendo dado e a voz do Espírito no meu ouvido continua dizendo “não pare”. Meu irmão, ouça isso: não pare por falta de reconhecimento. Esqueça as opiniões das pessoas e faça para Deus. “Pai, obrigado por que o Senhor é o que me basta tanto para ser reconhecido como para prosseguir. Só dependo de Ti. Se o Senhor estiver comigo eu prossigo.” Fonte:http://www.ichtus.com.br/dev/2012/07/15/anonimo/ Mário Fernandez

quarta-feira, 30 de maio de 2012

A leviandade do formalismo

Li o inteiro teor do blog discernimento cristão e encontrei uma reflexão interessante:(http://discernimentocristao.wordpress.com/2009/10/20/a-leviandade-do-formalismo/ No entanto, há que se ter cautela quanto a posicionamentos excludentes, pois somos chamados ao ministério da reconciliação: II Coríntios 5:18-21 "18-Tudo isso é obra de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo, através daquilo que Cristo fez por nós e nos confiou a missão de anunciar essa mesma reconciliação. 19-Porque Deus estava em Cristo, reconciliando o mundo consigo mesmo, não mais considerando os pecados dos homens como razão de acusação contra eles. Eis pois a mensagem que pregamos. 20-Somos então como embaixadores de Cristo. E é como se Deus por nosso meio lançasse um apelo aos homens. Nós vos suplicamos então, da parte de Cristo, que se reconciliem com Deus! 21-Deus carregou todo o nosso pecado sobre Cristo, que estava isento de qualquer pecado, para que nele fôssemos revestidos da justiça de Deus."

domingo, 18 de março de 2012

A Regra de ouro de Jesus Cristo | Bíblia a fundo

“E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo [mandamento], semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas” Mateus 22:37-40.
 
Para saber mais:
http://estudospolemicos.blogspot.com.br/2011/04/regra-de-ouro-de-jesus-cristo.html

sexta-feira, 2 de março de 2012

Lei Seca: Razões bíblicas

BEBER OU NÃO BEBER? EIS A QUESTÃO! Autor:Pr. Luís Gonzaga de Paiva Filho Dez Motivos de ordem bíblica, social e espiritual por que um cristão evangélico deve ser abstêmio ou por que não deve beber vinho, cerveja, cachaça, aguardente ou qualquer outro tipo de bebida alcoólica mesmo que de baixo teor alcoólico e de forma social ou moderada. 1. Motivo dos Antecedentes Bíblicos. A bebida alcoólica foi o motivo da queda de muitos servos de Deus levando-os ao fracasso na vida pessoal, familiar e ministerial. Noé depois de se embriagar com vinho portou-se de forma inconveniente, censurável e imprudentemente amaldiçoou um dos filhos (Leia Gênesis 9.20-25). Ló embriagado manteve relações sexuais com as próprias filhas (Leia Gênesis 19.29-38). Não há um único texto na Bíblia que apresente alguém como exemplo ou incentivo para o uso de bebidas embriagantes. 2. Motivo da Consagração a Deus. Para que alguém pudesse ser consagrada para Deus ou fizesse o “voto de nazireu” era necessário que se abstivesse completamente de toda bebida forte ou embriagante demonstrando ser uma pessoa especial, consagrada e separada para o serviço a Deus (Leia Números 6.1-4). 3. Motivo da Excelência Ministerial. Para ser sacerdote na antiga aliança o escolhido tinha que se abster de vinho e de toda bebida fermentada por toda a vida enquanto estivesse ministrando ao povo de Deus. O vinho fermentado não podia estar presente em nenhum ato de sacrifício ou de adoração a Deus. O consumo de bebida com álcool tornava o sacerdote desqualificado para ministrar diante de Deus, da família e da congregação. O ministério é coisa santa. É obra excelente. É missão nobre (Leia Levítico 10.8-11). 4. Motivo da Carnalidade. Conforme Provérbios 20.1 a bebida forte (aguardentes, destilados e fermentados etílicos como o vinho e a cerveja) torna aquele que bebe imprudente, insensato e inconveniente. Por trás de um gole de bebida alcoólica vem o escárnio, a ociosidade, a brincadeira indecente, a agressividade e a frieza espiritual. Os crentes em tempos de consagração e intimidade com Deus não costumam se sentir atraídos pelas rodas de bebidas. Quando isto acontece o que está acontecendo é geralmente uma crise de decadência espiritual. Bebida e sabedoria não andam no mesmo caminho. Bebedice é obra da carne e não do Espírito (Leia Gálatas 5.19-21). No céu só há lugar para os bebedores arrependidos e libertos! 5. Motivo da decência. O vinho torna-se letal como o veneno da serpente. O seu consumidor entra na esfera das alucinações e fantasias O vício do alcoolismo está geralmente associado a outros males e pecados: violência, abandono da família, imoralidade sexual, fofoca, maledicência, palavras torpes e perda de interesse pelos valores espirituais. O vinho gera dependência e leva a pessoa a buscar bebida mais forte, por mais tempo e com mais parceiros. 6. Motivo da Dependência. A bebida alcoólica gera dependência química e psicológica e estabelece um processo de destruição do corpo, que no caso do crente, é o templo do Espírito Santo (Leia I Coríntios 3.16,17). 7. Motivo do Exemplo. Sabemos que os filhos pequenos tendem a imitar os pais. Um pai ou uma mãe que bebe na presença dos filhos (ou um discipulador na presença dos discípulos) está dizendo para a criança (ou para o discípulo) pela aprendizagem do exemplo que o que ele está fazendo é moralmente correto, socialmente justificável e espiritualmente aceitável e assim procedendo tornam-se motivo de escândalo aos novos crentes e impedimento aos que poderiam ser alcançados pela pregação do Evangelho (Leia II Coríntios 6.3,4ª). Geralmente encontramos na cadeia do alcoolismo filhos de pais alcoólatras dependentes química e espiritualmente numa clara evidência que o alcoolismo estabelece também uma cadeia por ação de demônios do vício de beber. 8. Motivo da Decadência. O vício do álcool representa uma terrível chaga de ordem social. Por mais que haja uma condescendência social para com o consumo de bebidas o seu efeito é devastador e contribui para a decadência moral e social. O alcoolismo que começa com pequenas doses no ambiente entre amigos e tidas como comportamento social normal termina se tornando uma doença terminal levando à morte milhões de pessoas no Brasil e no mundo. Quantas esposas e filhos agredidos! Quantos acidentes deixando pessoas mutiladas! Quantas brigas e até mortes ocasionadas pelo consumo de bebidas fortes! Quantas oportunidades jogadas fora! Quantos leitos hospitalares, manicômios e presídios superlotados pela ação de vítimas do álcool! A Igreja foi chamada para ser sal da terra e luz do mundo, ou seja, uma referência dos padrões e valores de Deus para o mundo e não para ser uma extensão do mundo (Leia Mateus 5.16). 9. Motivo do Pretexto O argumento de que o fato de que Jesus bebia vinho com os pecadores (Leia Mateus 11.19) e que transformou água em vinho numa festa de casamento (Leia João 2.1-11) ou que Paulo recomendou a Timóteo que tomasse um pouco de vinho pelas suas constantes enfermidades no estômago (Leia I Timóteo 5.23) legitima o consumo de bebidas alcoólicas é tendencioso, oportunista e ignora pelo menos alguns princípios: 1. A Bíblia não se contradiz. A regra bíblica no AT é de reprovação ao consumo do vinho fermentado e não diz no NT que o vinho era fermentado. A palavra grega para vinho em ambos os casos (com fermentação ou sem fermentação) é “oinos”. Vale a regra hermenêutica de que uma afirmação bíblica menor estará contida e sempre de acordo com uma afirmação bíblica maior. 2. Os rabinos e fariseus que eram radicalmente contra o consumo de vinho fermentado e que provavelmente estavam entre os convidados não reprovaram ou questionaram a atitude de Jesus. 3. Nos dias de Cristo o consumo de vinho fermentado era social e religiosamente não recomendado. 4. É interessante notar que o texto traz uma acusação dos oposicionistas do ministério de Cristo e não uma declaração afirmativa. 5. Se Paulo insiste com Timóteo para que tome um pouco de vinho pelas suas características terapêuticas e medicinais é porque o próprio Timóteo não tinha o hábito de ingerir vinho e isto não acontecia em uma roda de amigos, ouvindo música e conversando lorotas, miolo de pote, patranha, treta, bazófia, gabolice ou coisa parecida. Nas citações bíblicas relacionadas a finalidade da citação do vinho foi para manifestar a divindade de Cristo e sua humanidade através do seu poder e da identificação com os pecadores. Os fariseus, independente da questão moral, questionavam Jesus até pelo fato de andar ou se assentar ao lado de um pecador. Os escribas também disseram que Jesus estava possesso por um demônio chamado de Belzebu (Leia Marcos 3.22) e nós sabemos que esta acusação não tinha qualquer fundamento de verdade. 10. Motivo da Consciência. Apesar de reconhecer os benefícios do consumo moderado do vinho, geralmente apontados em pesquisas médicas, a mesma ciência comprova que os mesmos benefícios podem ser encontrados na uva com casca, no suco de uva e nos chás verde e preto. O vinho é benéfico para a saúde, mas o álcool é maléfico para a saúde, para a família, para a sociedade e para a vida espiritual. O vinho fermentado é alcoólico. O suco de uva é vinho sem álcool. De que lado você fica? A decisão de cada um deve ser de acordo com sua consciência e nível de conhecimento e temor a Deus. Cabe a cada um responder diante de Deus pelos seus atos no plano físico, moral e espiritual (Hebreus 4.13 e Leia Romanos 14.11-13). Aos que querem viver segundo o padrão de excelência estabelecido por Deus cabe obedecer a Ele pela sua Palavra e pelos ministros que Ele constituiu para ensinar o seu rebanho (Leia Hebreus 13.17).

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Vá com Deus, Matildes!

"Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" Gálatas 3.27-28. Redijo esta breve nota em desagravo à estimada irmã Matildes, cujo profícuo e ilibado ministério missionário em nosso meio Batista Tradicional está materializado na Congregação em Águas Lindas, violenta cidade do entorno de Brasília; nos jovens toxicômanos recuperados pelo Ministério Servo, onde também atuou; bem como na organização das agendas e na convocação de pregadores para os cultos nos lares, nas muitas vigílias de oração e demais iniciativas evangelísticas efetivadas ao longo dos anos em que labutou conosco na SIBPP em prol do resgate dos perdidos nas trevas do pecado. Abstive-me de pronunciar minha opinião na sessão ordinária de ontem, na SIBPP, ocasião em que foi lida a sua carta (dela Matildes), diga-se de passagem, belamente redigida em um raro e bom português. Porém, não posso deixar de externar-me solidário e triste pelo seu desligamento da denominação Batista, ato que nos remete à constatação de que não há espaço adequado em pleno século XXI para a atuação ministerial das “Déboras” em nosso meio (vide http://emeric.wordpress.com/2009/03/12/debora-juiza-e-profetisa-de-israel/). Vá com Deus Matildes, como no passado também já foi a missionária Valnice Milhomens, e seja recebida de braços abertos por aqueles que já conseguiram superar essa síndrome machista que tolhe o serviço profético de nossas muitas mulheres, posto que são elas a maioria em nossos arraiais. Enquanto faltarem homens suficientes dispostos para a porfia, Deus continuará a suscitar mulheres de valor, coragem e ousadia ímpares como a sua para fazer face aos desafios. Quando faltarem ambos, Deus haverá de fazer clamarem até as pedras, se necessário for (Lucas 19:40). Felizmente, o Reino de Deus é muito grande e variado. Entendo melhor agora o porquê de tantas nuances e matizes. Em sua sabedoria, o Senhor providenciou um vasto leque de oportunidades onde todos possam, enfim, expressar a singularidade de sua fé (1 Pd 4.10). Já estou com saudades de ti... Em Cristo, Adauto da Costa Santos.