Frequência

Flag Counter

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Profecias cumpridas em Jesus!

Fonte:http://heberzenun.blogspot.com

"Observe que o Deus está realizando um preparo consciente e exato, sem meias palavras ou fazendo um tipo de jogo de perspectiva, mas a exatidão das Palavras são incisivas e decisivas se de fato são proferidas a partir de Deus e se assim o forem, tem que ser exatas em todos os seus detalhes e sendo assim é notável a conclusão de que este Deus está se importando conosco nos mínimos detalhes da explicação sobre SI mesmo para que alcancemos sua orientação e a sigamos e nos submetamos a Sua intervenção, senão investiguemos:

1. Seria nascido de uma mulher: Aviso em Gênesis 3:15 e cumprido em Gálatas 4:4.
2. Seria descendente de Abraão: Aviso em Genesis 17:7 e cumprido em Gálatas 3:16.
3. Nasceria de uma jovem (Virgem): Aviso em Isaías 7:14 e cumprido em Mateus 1:18.
4. Nasceria em Belém da Judéia: Aviso em Miquéias 5:1 e cumprido em Mateus 2:1.
5. Chamaria Emanuel: Aviso em Isaías 7:14 e cumprido em Mateus 1:22, 23.
6. Grandes viriam adorá-lo: Aviso em Salmo 72:10 e cumprido em Mateus 2:1-11.
7. Haveria um morticínio em Belém: Aviso em Jeremias 31:15 e cumprido em Lucas 2:16-18.
8. Seria chamado do Egito: Aviso em Oséias 11:1 e cumprido em Mateus 2:15.
9. Seria precedido por um profeta: Aviso em Isaías 40:3 e cumprido em Mateus 3:1-3.
10. Seria revestido com o Espírito Santo: Aviso em Salmo 45:7 e Isaías 11:2; 61:1 e cumprido em Mateus 3:16; João 3:34 e Atos 10:38.
11. Iniciaria uma ministração pública: Aviso em Isaías 61:1,2 e cumprido em Lucas 4:16-21, 43.
12. Entraria nesta ministração em Jerusalém: Aviso em Zacarias 9:9 e cumprido em Mateus 21:1-5.
13. Iria ao Templo: Aviso em Malaquias 3:1 e cumprido em Mateus 21:12.
14. Mesmo sendo Deus seria muito singelo: Aviso em Isaías 53:2 e cumprido em Lucas 9:58.
15. Mesmo sendo Deus seria humilde: Aviso em Isaías 42:2 e cumprido em Mateus 12:15,16,19.
16. Grande em ternura e compaixão: Aviso em Isaías 40:11; 42:3 e cumprido em Mateus 12:15,20; Hebreus 4:15.
17. Jamais se enganaria: Aviso em Isaías 53:9 e cumprido em 1 Pedro 2:22.
18. Ensinaria por parábolas: Aviso em Salmo 78:2 e cumprido em Mateus 13:34,35.
19. Atos sobrenaturais e milagrosos: Isaías 35:5,6 e cumprido em Mateus 11:4,6; João 11:47.
20. Seria motivo de vergonha: Aviso em Salmo 22:6; 69:7,9,20 e cumprido em Romanos 15:3.
21. Seria rejeitado pelos próprios irmãos(Povo e família): Aviso em Salmo 69:8; Isaías 63:3 e cumprido em João 1:11 e João 7:3.
22. Seu povo e outros povos se uniriam contra ele: Aviso em Salmo 2:1,2 e cumprido em Lucas 23:12; Atos 4:27.
23. Seria traído por um amigo: Aviso em Salmo 41:9; 55:12-14 e cumprido em João 13:18,21.
24. Seria abandonado pelos seus discípulos: Aviso em Zacarias 13:7 e cumprido em Mateus 26:31,56.
25. Seria traído e vendido por 30 moedas: Aviso em Zacarias 11:12 e cumprido em Mateus 26:15.
26. Com este dinheiro seria comprado um campo do oleiro: Aviso em Zacarias 11:13 e cumprido em Mateus 27:7.
27. Seus sofrimentos seriam muito intensos: Aviso em Salmo 22:14-15 e cumprido em Lucas 22:42-44.
28. Sofrimento no lugar dos outros: Aviso em Isaías 53:4-6,12 e comprido em Mateus 20:28.
29. Sua atitude paciente e seu silêncio no sofrimento: Aviso em Isaías 53:7 e cumprido em Mateus 26:63; 27:12-14.
30. Seria esbofeteado: Aviso em Miquéias 5:1 e cumprido em Mateus 27:30.
31. Cuspiriam nele e seria flagelado: Aviso em Isaías 50:6 e cumprido em João 19:1.
32. Pés e mãos cravados em uma cruz: Aviso em Salmo 22:16 e cumprido em João 19:18; 20:25.
33. Neste momento seria abandonado por Deus: Aviso em Salmo 22:1 e cumprido em Mateus 27:46.
34. Seria zombado: Aviso em Salmo 22:7,8 e cumprido em Mateus 27:39-44.
35. Dariam a ele fel e vinagre: Aviso em Salmo 69:21 e cumprido em Mateus 27:34.
36. Suas roupas seriam divididas e fariam de sua túnica mesa de jogo: Aviso em Salmo 22:18 e cumprido em Mateus 27:35.
37. Seria tido como mais um bandido: Aviso em Isaías 53:12 e cumprido em Marcos 15:28.
38. Nestes momentos oraria em favor dos seus assassinos: Aviso em Isaías 53:12 e cumprido em Lucas 23:34.
39. Morreria: Aviso em Isaías 53:12 e cumprido em Mateus 27:50.
40. Não seria quebrado nenhum osso dele: Aviso em Salmo 34:20 e cumprido em João 19:33-36.
41. Teria seu corpo traspassado: Aviso em Zacarias 12:10 e cumprido em João 19:34,37.
42. Seria sepultado com o rico: Aviso em Isaías 53:9 e cumprido em Mateus 27:57-60.
43. Não veria corrupção: Aviso em Salmo 16:10 e cumprido em Atos 2:31.
44. Ressuscitaria: Aviso em Salmo 16:10; Isaías 26:19 e cumprido em Lucas 2:6,31,34.
45. Sua ascensão: Aviso em Salmo 68:18 e cumprimento em Lucas 24:51; Atos 1:9.
46. Retornar a sua autoridade plena – Direita de Deus: Aviso em Salmo 110:1 e cumprido em Hebreus 1:3.
47. Exerce o oficio de Sacerdote no céu: Aviso em Zacarias 6:13 e cumprido em Romanos 8:34.
48. É a base, o fundamento do povo que está formando na Terra: Aviso em Isaías 28:16 e cumprido em 1 Pedro 2:6,7.
49. Sua Vinda: Aviso em Daniel 7:13; Judas 14 e será cumprida conforme Suas Palavras também em Mateus 25:31; João 14:3.
50. Sua Vinda: Aviso pelos Apóstolos: Aviso em Atos 3:20; 1 Timóteo 6:14.
51. Sua Vinda: Aviso pelos anjos: Aviso em Atos 1:10,11."

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Meio ambiente e fé cristã

Matéria oportuna e relevante. Leia na Revista Ultimato:
http://www.ultimato.com.br/?pg=show_artigos&artigo=2505&secMestre=2526&sec=2537&num_edicao=321

Cristianismo Hoje

Atualize-se! Leia:
http://www.christianitytoday.com/international/frame.html?http://www.cristianismohoje.com/

Palestinianismo Cristão

Saiba deste e outros assuntos, clicando aqui:
* Israel: Ainda a Menina dos Olhos de Deus – Parte 2
* Palestinianismo Cristão
* A doutrina do mahdismo
* A política messiânica de Amadinejad
* O relatório do tribunal simulado de Goldstone

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

O Sangue de Jesus trocado por um prato de lentilhas

Eis um estudo bíblico relevante para discernirmos a advertência de Jesus quanto às filosofias enganosas:

"Mateus 24, 23-25 – “Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui ou ali, não lhe deis crédito, porque surgirão falsos profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que eu vo-lo tenho predito.”

Quer saber mais?
Visite estes blogs abaixo: Give it a try:
O Caminho Cristão: http://www.caminhocristao.com/?p=9
Pelo Novo e Vivo Caminho: JESUS http://blig.ig.com.br/somosiguais/2009/05/30/remembering-this-text-is-in-12/

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Lógica Bíblica

Introdução
Antes de prosseguirmos, segue mais uma lição de interpretação bíblica. Utilizaremos nesta lição uma linguagem própria à lógica.

Conforme escreveu o apóstolo João, sabemos que: 'Deus é luz', e que: 'não há nele trevas alguma' I Jo 1: 5.

Considerando os elementos da lógica, a primeira oração é uma proposição simples declarativa: Deus é luz. Há valores lógicos às proposições: verdadeiro e falso. Conforme a idéia bíblica, temos que a proposição 'Deus é luz' tem o valor lógico verdadeiro.

Dentro da lógica há três princípios:
a) Princípio da identidade - se qualquer proposição é verdadeira, então, ela é verdadeira;
b) Princípio de não-contradição - nenhuma proposição pode ser verdadeira e falsa;
c) Princípio do terceiro excluído - uma proposição ou é verdadeira ou é falsa.

A proposição 'Deus é luz' é verdadeira, e por conseqüência não é falsa. Jamais esta proposição assumirá dois valores simultaneamente.

Dada uma proposição qualquer, se inserirmos o conectivo 'não', poderemos formar a sua negação. Ex: 'Deus não é luz' - proposição simples declarativa com valor lógico falso.

A segunda oração 'não há em Deus trevas alguma', apesar de ter o conectivo 'não' tem o valor lógico verdadeiro, visto que reafirma a idéia da proposição 'Deus é luz'.

As cartas bíblicas foram escritas essencialmente na linguagem lógica, sendo que definições e conceitos quase não são utilizados.

Definir: determinar a extensão ou os limites de; explicar o significado de; fixar, estabelecer; etc;

Conceituar: formulação de uma idéia por palavras, definição.

Já estudamos o seguinte versículo: "Do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade pela injustiça" Rm 1: 18. Considerando que este versículo é uma proposição simples declarativa e verdadeira quanto ao valor lógico, é plenamente possível construímos uma nova proposição se substituirmos alguns elementos.

Da mesma forma que 'do céu se manifesta a ira de Deus', é certo que de lá também se manifesta a bondade de Deus. Como a bondade de Deus é certa, restam as perguntas: sobre quem a bondade se manifesta?

Durante o estudo do segundo capítulo da carta aos Romanos aplicaremos os elementos que apresentamos acima.

Capítulo II

1 PORTANTO, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo.

O capítulo dois tem início com uma conjunção (portanto), o que indica uma relação de conclusão ao que foi dito anteriormente. O que foi dito anteriormente (no capitulo 1)?

Foi dito que:
a) Os homens que detém a verdade em injustiça são objetos da ira de Deus Rm 1: 18;
b) A natureza depõe contra os homens que detém a verdade em injustiça, deixando-os inescusáveis Rm 1: 20;
c) Há homens que detém a verdade em injustiça, e que, mesmo reconhecendo a existência de Deus, seus raciocínios tornarem-se fúteis e os corações insensatos se obscureceram, e criaram deuses para si Rm 1: 21, e;
d) Há homens que detém a verdade em injustiça e que foram entregues às sua concupiscências Rm 1: 24, as suas paixões infames Rm 1: 26 e a uma disposição mental reprovável Rm 1: 28, e passaram a praticar todos os tipos de ações reprováveis diante de Deus e dos homens Rm 1: 29- 31.

O homem que Paulo evoca neste versículo "ó homem", refere-se ao mesmo homem que detém a verdade em injustiça do capitulo anterior Rm 1: 18. Porque refere-se ao mesmo homem do capítulo anterior? Ao lermos o versículo "Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais cousas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem" Rm 1: 32, percebe-se que as conjunções 'ora' e 'portanto' são empregadas indicando uma relação de conclusão em relação ao que foi dito anteriormente.

Neste caso em específico, a conjunção 'ora' ou 'portanto' introduz uma conclusão. O versículo trinta e dois, do capítulo um, demonstra que, embora os homens que detêm a verdade em injustiça, conhecendo a justiça de Deus (de que são dignos de morte quem pratica as ações enumeradas anteriormente), praticam as ações reprováveis e consentem com quem as praticam. Com base nestas informações, qualquer que seja o homem, mesmo que ele se sinta em posição privilegiada por julgar outros homens, ele permanece inescusável diante de Deus.

Seja quem for o homem, se ele detém a verdade em injustiça, ele está na mesma condição de quem ele julga, e pratica o que ele mesmo condena.

Neste versículo o apóstolo Paulo desfaz toda e qualquer diferença entre os homens. Este versículo e o último do capítulo anterior são inseparáveis quando se faz uma interpretação.

2 E bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas fazem.
Paulo reitera que os cristãos estão cônscios de que o juízo de Deus é segundo a verdade. Observe que ele enfatiza: "Bem sabemos...". A verdade da qual o apostolo faz referência é a verdade do evangelho.

Através desta afirmativa, o apóstolo Paulo demonstra que os cristãos não julgam aqueles que estão fora da verdade, porém, é de conhecimento que o juízo de Deus é certo sobre quem pratica as ações descritas no capítulo primeiro, versos 29 a 31.

O conhecimento que o cristão dispõe é segundo a verdade do evangelho, enquanto que o 'conhecimento' dos homens que detêm a verdade em injustiça é proveniente da lei escrita em seus corações, ou da consciência Rm 2: 15.

3 E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus?

Paulo volta a questionar o 'homem' que detém a verdade em injustiça, e aponta o seu comportamento questionável: basta julgar aqueles que fazem as coisa descritas anteriormente para se ver livre do juízo de Deus?

Observe que o juízo segundo a verdade já está estabelecido e as atitudes dos homens visam escapar a tal juízo. O escritor ao Hebreus é claro: "Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram" (Hebreus 2: 3).

Note que há uma diferença entre ser inescusável e escapar ao juízo de Deus. Este refere-se a condenação adquirida em Adão, enquanto aquele refere-se ao comportamento reprovável dos que foram condenados em Adão. O juízo de Deus é uma condição muito mais dura diante de Deus, pois afeta a natureza do homem. Do juízo de Deus surgiu a semente corruptível de Adão. Tal semente faz com que os frutos dos homens nascidos de Adão sejam maus Jo 3: 19- 20. A árvore que tem origem na semente de Adão só produz o mal, visto que uma árvore não pode produzir dois tipos de frutos Mt 7: 17.

4 Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento?

O versículo quatro depende do versículo três. No versículo três Paulo questiona a atitude do homem que pensa ser possível praticar as coisas reprováveis descritas anteriormente e escapar ao juízo de Deus. O homem que julga os que praticam as coisas reprováveis, ou pensa é possível escapar ao juízo de Deus, ou evidencia uma atitude mais grave ainda: desprezar a benignidade de Deus.

Paulo demonstra não entender a atitude daqueles que detêm a verdade em injustiça. Ou tal homem acha que é possível escapar ao juízo de Deus estabelecido lá em Adão, ou é uma atitude de desprezo a benignidade, paciência e longanimidade de Deus.

O desprezo à benignidade de Deus é por incredulidade, visto que, é a benignidade que leva o homem a arrepender-se de suas concepções errôneas.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

Claudio Crispim



www.ibiblia.net

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

PÉROLAS DO ECLESIASTES (Parte I)

Esboço de mensagem proferida por mim quando de recente visita a Primeira Igreja Batista em Congonhas do Campo – MG.

Origem e significado: Hebraico Kohelet = Pregador Grego; Ekklesiastes
Fontes: www.iremar.com.br/nomes/index.php? http://www.adoraiaosenhor.com.br/biblia-on-line-livro-de-eclesiastes-a-busca-de-satisfacao-e-felicidade-do-homem-natural/

Autoria do livro bíblico: Salomão - Rei de Israel, filho de Davi com Bate-seba...1a. Reis 11 versículos 3 a 9 e vs. 41 a 43.

Tema: A vaidade, futilidade da vida humana em contraste com o proposito divino

Observação importante para uma correta interpretação, sem indução ao erro do negativismo e consequente depressão: considerar o fim trágico do autor, conforme relatado nas referencias do subitem 3 acima, pois revela o estagio provável da vida do maior sábio bíblico depois de Jesus.

Capitulo Primeiro:
1 – A natureza cíclica das coisas:
Trabalho – vs.3, gerações – vs.4, o sol – vs.5, o vento – vs.6, os ribeiros correndo para o mar - vs.7, a insaciedade dos sentidos – vs.8 e o ciclo histórico – vs.10 e 11.
Ciência e sabedoria = vaidade e aflição de espirito – vs.13 e 14 – ocupação enfadonha dada por Deus aos homens para exercita-los
Transitoriedade e pouca efetividade do trabalho físico e intelectual – vs.15 a 18

Capitulo Segundo:
2 – A vaidade dos prazeres e das realizações humanas:
Prazer e alegria – vs.1, “boa vida” - vs.3, obras = casas e vinhas, hortas, pomares e jardins – vs.4 e 5, tanques de aguas para regar bosques – vs.6, poder e bens = servos e servas, vacas e ovelhas, prata e ouro, joias, cantores e cantoras, delicias, instrumentos musicais – vs.7 a 10.
Tudo e vão, cíclico, rotineiro e repetitivo – vs. 11 a 12.
Porem há mais sabedoria e excelência na sabedoria como na luz, em contraposição a ignorância como nas trevas – vs.13.
O fim de tudo isso e sempre o mesmo – vs.14 a 17, o fruto do trabalho, se não for aproveitado a tempo, passara a quem não trabalhou e não há como saber se será sábio ou tolo – vs.26 a 31.

Capitulo Terceiro:
3 – há tempo para todo proposito:
várias situações são descritas, em que o tempo determina comportamentos e atitudes. O sábio deve discernir o tempo e o modo oportunos.

Capitulo Quarto:
4 – Opressão = males e tribulações:
A força está do lado do opressor e os fracos não tem consolador – vs.1, melhor nem ter nascido – vs.3.
Antagonismos = Inveja – vs.4 versus Trabalho – vs.5 e 6, Solidão – vs.8 versus Companheirismo – vs.9 a 12, jovem Pobre e Sábio versus rei Velho e Insensato – vs.13 a 16.

Capitulo Quinto:
5 – Como comportar-se na Casa de Deus:
Ouvir = não oferecer sacrificios de tolos – vs.1, fale pouco – vs.2, muitas palavras = tolice – vs.3, temor a Deus = silencio.
Pagar votos, cumprir promessas.
Deus e quem julgara a injustiça e a opressao – vs.8, consequencias = insaciedade, vaidade – vs.10 a 12, enfermidades – vs.13.

(...)

Capitulo Doze:
- Conclusões:

Nada é por acaso: Eclesiastes 12:13 “De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem.”

A Bíblia inteira e a palavra de Deus, não contem partes ou porções apenas... 2a.Timoteo 3:16-17 “Toda escritura divinamente inspirada é útil...”

Servir a Deus é gratificante e proveitoso... 1a. Corintios 15:58 “...o vosso trabalho não é vão no Senhor...”

A verdadeira fonte de alegria... Filipenses 2:12-16 “...

Para saber mais...
A SALVAÇÃO, UMA DÁDIVA A SER DESENVOLVIDA
Fonte: http://www.hernandesdiaslopes.com.br/?area=show&registro=679

"n) A carta nos mostra o lado carinhoso e da ternura. É muito interessante ver como algumas palavras bonitas aparecem no texto: alegria, ternura, coração... Os filipenses estão “em seu coração” (1,7); são seus “amados” (2,12); “queridos e saudosos irmãos” (4,1). E também é uma Carta onde surgem algumas das frases mais belas da Bíblia: “Deus é testemunha de que eu quero bem a todos vocês com a ternura de Jesus Cristo” (1,8); “Tudo posso nAquele que me fortalece!” (4,13); “Alegrai-vos sempre no Senhor!” (4,4); “Permanecei firmes no Senhor!” (4,1); etc."
Fonte: http://www.ofmcapuchinhos.org.br/biblia/Carta%20aos%20Filipenses.pdf

A ALMA CATÓLICA DOS EVANGÉLICOS NO BRASIL

Ainda que discorde do entendimento do autor relativamente à Teologia Relacional (vide meu post em: http://laosergos.blogspot.com/2007/10/uma-perspectiva-relacional-no.html), na matéria abaixo concordo em gênero, número e grau...

A ALMA CATÓLICA DOS EVANGÉLICOS NO BRASIL
Augustus Nicodemus Foi um dos preletores da 22ª conferência Fiel - Brasil.

Os evangélicos no Brasil nunca conseguiram se livrar totalmente da influência do Catolicismo Romano. Por séculos, o Catolicismo formou a mentalidade brasileira, a sua maneira de ver o mundo ("cosmovisão"). O crescimento do número de evangélicos no Brasil é cada vez maior – segundo o IBGE, seremos 40 milhões neste ano de 2006 – mas há várias evidências de que boa parte dos evangélicos não tem conseguido se livrar da herança católica.

É um fato que a conversão verdadeira (arrependimento e fé) implica uma mudança espiritual e moral, mas não significa necessariamente uma mudança na maneira como a pessoa vê o mundo. Alguém pode ter sido regenerado pelo Espírito e ainda continuar, por um tempo, a enxergar as coisas com os pressupostos antigos.

É o caso dos crentes de Corinto, por exemplo. Alguns deles haviam sido impuros, idólatras, adúlteros, efeminados, sodomitas, ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes e roubadores. Todavia, haviam sido lavados, santificados e justificados "em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus" (1 Co 6.9-11), sem que isso significasse que uma mudança completa de mentalidade houvesse ocorrido com eles.

Na primeira carta que lhes escreve, Paulo revela duas áreas em que eles continuavam a agir como pagãos: na maneira grega dicotômica de ver o mundo dividido em matéria e espírito (que dificultava a aceitação entre eles das relações sexuais no casamento e a ressurreição física dos mortos – capítulos 7 e 15) e o culto à personalidade mantido para com os filósofos gregos (que logo os levou a formar partidos na igreja em torno de Paulo, Pedro, Apolo e mesmo o próprio Cristo – capítulos 1 a 4). Eles eram cristãos, mas com a alma grega pagã.

Da mesma forma, creio que grande parte dos evangélicos no Brasil tem a alma católica. Antes de passar às argumentações, preciso esclarecer um ponto. Todas as tendências que eu identifico entre os evangélicos como sendo herança católica, no fundo, antes de serem católicas, são realmente tendências da nossa natureza humana decaída, corrompida e manchada pelo pecado, que se manifestam em todos os lugares, em todos os sistemas e não somente no Catolicismo.

Como disse o reformado R. Hooykas, famoso historiador da ciência, "no fundo, somos todos romanos" (Philosophia Liberta, 1957). Todavia, alguns sistemas são mais vulneráveis a essas tendências e as absorveram mais que outros, como penso que é o caso com o Catolicismo no Brasil. E que tendências são essas?

1) O gosto por bispos e apóstolos

Na Igreja Católica, o sistema papal impõe a autoridade de um único homem sobre todo o povo. A distinção entre clérigos (padres, bispos, cardeais e o papa) e leigos (o povo comum) coloca os sacerdotes católicos em um nível acima das pessoas normais, como se fossem revestidos de uma autoridade, um carisma, uma espiritualidade inacessível, que provoca a admiração e o espanto da gente comum, infundindo respeito e veneração. Há um gosto na alma brasileira por bispos, catedrais, pompas, rituais.

Só assim consigo entender a aceitação generalizada por parte dos próprios evangélicos de bispos e apóstolos autonomeados, mesmo após Lutero ter rasgado a bula papal que o excomungava e queimá-la na fogueira. A doutrina reformada do sacerdócio universal dos crentes e a abolição da distinção entre clérigos e leigos ainda não permearam a cosmovisão dos evangélicos no Brasil, com poucas exceções.

2) A idéia de que pastores são mediadores entre Deus e os homens

No Catolicismo, a Igreja é mediadora entre Deus e os homens e transmite a graça divina mediante os sacramentos, as indulgências, as orações. Os sacerdotes católicos são vistos como aqueles através de quem essa graça é concedida, pois são eles que, com as suas palavras, transformam, na Missa, o pão e o vinho no corpo e no sangue de Cristo; que aplicam a água benta no batismo para remissão de pecados; que ouvem a confissão do povo e pronunciam o perdão de pecados.

Essa mentalidade de mediação humana passou para os evangélicos, com poucas mudanças. Até nas igrejas chamadas históricas, os crentes brasileiros agem como se a oração do pastor fosse mais poderosa do que a deles e como se os pastores funcionassem como mediadores entre eles e os favores divinos. Esse ranço do Catolicismo vem sendo cada vez mais explorado por setores neopentecostais do evangelicalismo, a julgar por práticas já assimiladas como "a oração dos 318 homens de Deus", "a prece poderosa do bispo tal", "a oração da irmã fulana, que é profetisa", etc.

3) O misticismo supersticioso no apego a objetos sagrados

O Catolicismo no Brasil, por sua vez influenciado pelas religiões afro-brasileiras, semeou misticismo e superstição durante séculos na alma brasileira: milagres de santos, uso de relíquias, aparições de Cristo e de Maria, objetos ungidos e santificados, água benta, entre outros.

Hoje, há um crescimento espantoso, entre setores evangélicos, do uso de copo d’água, rosa ungida, sal grosso, pulseiras abençoadas, pentes santos do kit de beleza da rainha Ester, peças de roupa de entes queridos, oração no monte, no vale; óleos de oliveiras de Jerusalém, água do Jordão, sal do Vale do Sal, trombetas de Gideão (distribuídas em profusão), o cajado de Moisés... é infindável e sem limites a imaginação dos líderes e a credulidade do povo.

Esse fenômeno só pode ser explicado, ao meu ver, por um gosto intrínseco pelo misticismo impresso na alma católica dos evangélicos.

4) A separação entre sagrado e profano

No centro do pensamento católico existe a distinção entre natureza e graça, idealizada e defendida por Tomás de Aquino, um dos mais importantes teólogos da Igreja Católica. Na prática, isso significou a aceitação de duas realidades coexistentes, antagônicas e freqüentemente irreconciliáveis: o sagrado, substanciado na Santa Igreja, e o profano, que é tudo o mais no mundo lá fora.

Os brasileiros aprenderam durante séculos a não misturar as coisas: sagrado é aquilo que a gente vai fazer na Igreja: assistir Missa e se confessar. O profano – meu trabalho, meus estudos, as ciências – permanece intocado pelos pressupostos cristãos, separado de forma estanque. É a mesma atitude dos evangélicos.

Falta-nos uma mentalidade que integre a fé às demais áreas da vida, conforme a visão bíblica de que tudo é sagrado. Por exemplo, na área da educação, temos por séculos deixado que a mentalidade humanista secularizada, permeada de pressupostos anticristãos, eduque os nossos filhos, do ensino fundamental até o superior, com algumas exceções.

Em outros países, os evangélicos têm tido mais sucesso em manter instituições de ensino que, além de serem tão competentes como as outras, oferecem uma visão de mundo, de ciência, de tecnologia e da história oriunda de pressupostos cristãos. Numa cultura permeada pela idéia de que o sagrado e o profano, a religião e o mundo, são dois reinos distintos e freqüentemente antagônicos, não há como uma visão.

5) Somente pecados sexuais são realmente graves

A distinção entre pecados mortais e veniais feita pelo catolicismo romano vem permeando a ética brasileira há séculos. Segundo essa distinção, pecados considerados mortais privam a alma da graça salvadora e a condenam ao inferno, enquanto que os veniais, como o nome já indica, são mais leves e merecem somente castigos temporais. A nossa cultura se encarregou de preencher as listas dos mortais e dos veniais. Dessa forma, enquanto se pode aceitar a "mentirinha", o jeitinho, o tirar vantagem, a maledicência, etc., o adultério se tornou imperdoável. Lula foi reeleito cercado de acusações de corrupção.

Mas, se tivesse ocorrido uma denúncia de escândalo sexual, tenho dúvidas de que teria sido reeleito ou de que teria sido reeleito por uma margem tão grande. Nas igrejas evangélicas – onde se sabe pela Bíblia que todo pecado é odioso e que quem guarda toda a lei de Deus e quebra um só mandamento é culpado de todos – é raro que alguém seja disciplinado, corrigido, admoestado, destituído ou despojado por pecados como mentira, preguiça, orgulho, vaidade, maledicência, entre outros. As disciplinas eclesiásticas acontecem via de regra por pecados de natureza sexual, como adultério, prostituição, fornicação, adição à pornografia, homossexualismo, etc., embora até mesmo esses estão sendo cada vez mais aceitáveis aos olhos evangélicos. Mais um resquício de catolicismo na alma dos evangélicos?

O que é mais surpreendente é que os evangélicos no Brasil estão entre os mais anticatólicos do mundo. Só para ilustrar (e sem entrar no mérito dessa polêmica), o Brasil é um dos países onde convertidos do catolicismo são rebatizados nas igrejas evangélicas.

O anticatolicismo brasileiro, todavia, se concentrou apenas na questão das imagens e de Maria e em questões éticas como não fumar, não beber e não dançar. Não foi e não é profundo o suficiente para fazer uma crítica mais completa de outros pontos que, por anos, vêm moldando a mentalidade do brasileiro, como mencionei acima.

Além de uma conversão dos ídolos e de Maria a Cristo, os brasileiros evangélicos precisam de conversão na mentalidade, na maneira de ver o mundo. Temos de trazer cativo a Cristo todo pensamento, e não somente os nossos pecados. Nossa cosmovisão precisa também de conversão (2 Co 10.4-5).

Quando vejo o retorno de grandes massas ditas evangélicas às práticas medievais católicas de usar no culto a Deus objetos ungidos e consagrados, procurando para si bispos e apóstolos, imersas em práticas supersticiosas, me pergunto se, ao final das contas, o neopentecostalismo brasileiro não é, na verdade, um filho da Igreja Católica medieval, uma forma de neocatolicismo tardio que surge e cresce em nosso país, onde até os evangélicos têm alma católica.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

quarta-feira, 27 de maio de 2009

QUANTO A MIM

Uma mensagem a partir de Miqueias (recebi por e-mail e desconheço o Autor)

De repente, lendo-o devocionalmente, o livro da profecia de Miqueias cresceu diante de mim e dentro de mim. Então, decidi que iria pregar sobre algumas de suas verdades.

Sabemos de cor algumas perícopes de Miqueias.Podemos não saber onde está a promessa que faz de Belém-Efrata o berço do Messias, mas somos capazes de recitar os seus versos:"Mas tu, Belém Efrata, posto que pequena para estar entre os milhares deJudá, de ti é que me sairá aquele que há de reinar em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Portanto os entregará até o tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o resto de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. E ele permanecerá, e apascentará o povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora ele será grande até os fins daterra. E este será a nossa paz".(Miqueias 5.2-5a) Também está em Miqueias este resumo do evangelho:"Ele te declarou, o homem, o que é bom; e que é o que o Senhor requer deti, senão que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus?"(Miqueias 6.8)

Mas o que me encantou em Miqueias desta vez foi uma expressão que aparece duas vezes no livro com suas mensagens. Umas versões trazem-na como "eu, porém" e outras, "quanto a mim" (Miqueias 3.8 e 7.7). A partir delas, fiquei pensando em mim mesmo. Estou no grupo do "eu, porém", mesmo que eventualmente diferente de todos? Mais que isto, fiquei pensando positivamente sobre meus irmãos em Cristo. Comecei a visualizar os meus irmãos que têm buscado viver como o profeta Miqueias, este pregador que antecipa outro grande pregador, o apóstolo Paulo. Pensei nos meus irmãos como pessoas felizes, porque...

1. Feliz é quem reconhece que vive num mundo que experimenta continuamente as conseqüências da Queda.Todos gostaríamos que o mundo fosse diferente do que é. Que uma menina deoito anos não fosse assassinada em casa por ladrões num condomínio dointerior de São Paulo. Que os filhos adolescentes não formassem um grupo para extorquir o pai de um deles mediante um seqüestro simulado no interior do Espírito Santo. Que ninguém roubasse as doações (roupas e outros objetos) feitas de bom coração para vítimas das enchentes em SantaCatarina. Que jamais fôssemos acordados à noite pelo som dos tiroteios nosmorros próximos. Que as pessoas jamais passassem adiante uma informaçãosobre outra pessoa sem pensar nas suas conseqüências sobre as vidaspichadas.O profeta, como se fosse um repórter da vida quotidiana, registra:"Os piedosos desapareceram do país; não há um justo sequer. Todos estão à espreita para derramar sangue; cada um caça seu irmão com uma armadilha.Com as mãos prontas para fazer o mal o governante exige presentes, o juizaceita suborno, os poderosos impõem o que querem; todos tramam em conjunto. O melhor deles é como espinheiro, e o mais correto é pior que uma cerca de espinhos. Chegou o dia anunciado pelas suas sentinelas, o dia do castigo deDeus. Agora reinará a confusão entre eles. Não confie nos vizinhos; nem acredite nos amigos. Até com aquela que o
abraça tenha cada um cuidado com o que diz. Pois o filho despreza o pai, afilha se rebela contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homemsão os seus próprios familiares". (Miqueias 7.2-6)

Em outras palavras, a queda transtorna a política e o direito, a cidade e afamília, a amizade e a religião. Não adianta não abrir a Bíblia, não ler jornais ou não ver televisão. Essas coisas acontecem nos nossos condomínios e até em nossas casas.Não adianta pensar que só os outros cometem os atos que nós condenamos. Nós também podemos cometer atos que nós mesmos reprovamos.As conseqüências da Queda, revelando a verdadeira natureza humana, nos alcança a todos, indistintamente. Neste sentido, tem razão o profeta quandodiz "não há um justo sequer; todos estão à espreita para derramar sangue; cada um caça seu irmão com uma armadilha" (Miqueias 7.2). A realidade da queda nos envolve e nos leva a atualizar o nosso pecado, repetindo velhos e criando novos.Quando olhamos para o nosso mundo e quando olhamos para nossas próprias mãos, não temos como não gritar como fez o apóstolo Paulo: "Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!" (Romanos 7.24-25) É por isto que precisamos meditar na lembrança que o profeta Miqueias nos faz:"Ele mostrou a você, o homem, o que é bom e o que o senhor exige: pratique a justiça, ame a misericórdia e ande humildemente com o seu Deus".(Miqueias 6.8) Feliz é quem reconhece os efeitos da queda, mas assim mesmo busca praticar a justiça no seu relacionamento com outros, a bondade no seu coração e a humildade diante de Deus. Apesar da Queda, é praticando estas verdades que podemos viver felizes.

2. Feliz é quem não deriva sua fidelidade a Deus por que as coisas lhe vão bem na vida.
O profeta vive pessimamente. Diz ele:"Que desgraça a minha! Sou como quem colhe frutos de verão na respiga davinha; não há nenhum cacho de uvas para provar, nenhum figo novo que eutanto desejo".(Miqueias 7.1)

"Colher frutos de verão na respiga da vinha" é conseguir um real e chegarao restaurante de um real mas ele está fechado. É esperar a hora da xepa na feira e não encontrar nada, senão enxotamentos. É pedir pão velho à porta que se fecha rapidamente. É contar o dinheiro no bolso e descobrir que nãodá para pegar o ônibus. É pedir emprestado a quem não tem para emprestar.Deve-se esperar fidelidade de uma pessoa assim? Sim, se ela é capaz de cantar como o profeta:"Quem é comparável a ti, o Deus, que perdoas o pecado e esqueces atransgressão do remanescente da sua herança? Tu, que não permaneces irado para sempre, mas tens prazer em mostrar amor".(Miqueias 7.18)

Feliz não é quem olha para os seus problemas como sendo definitivos, masolha para Deus como aquele que tem prazer em mostrar amor. A fidelidade a Deus não depende de tudo ir bem agora. Agir assim é condenarDeus pelo nosso presente, esquecido do passado e ignorante do futuro. Não, agir assim é não saber Quem Deus é e o que Ele pode fazer, mesmo que omundo pareça desabar sobre os nossos esmigalhados ombros.Que tal nos lembrarmos do que Ele já nos fez, de modo a nos perguntar sealguém que se lhe possa comparar?Eu estava no hospital, depois da cirurgia da próstata. Em lugar de estar emcasa, uma sonda nasogástrica me incomodava e me deixava triste emal-humorado. Para ter alta, eu precisava que meu intestino funcionasse,mas meu intestino não funcionava. Eu não tinha ânimo nem para orar. Estava no auge do meu sofrimento. E o médico se recusava a tirar a sonda, apesar dos meus pedidos. O que ganhei foi a visita de outro médico, para dizer que
me levariam para fazer uns exames. Era perto do meio dia e o maqueiro viriame buscar lá pelas três. Minha esposa saiu para almoçar, para estar apostos na hora dos exames, mas o pessoal chegou antes. Todo doído, tive que sair do leito para a maca, atravessar longos corredores e elevadores e chegar à máquina de ressonância magnética e sair da maca e entrar no leito provisório. Eu devia mesmo estar mal, para ser submetido a tanto sacrifício. Então, chegou o alento. Uma médica radiologista amiga, Márcia, que não fazia parte da equipe do hospital, mas fazia parte da equipe de Deus parame socorrer. Ela me tranqüilizou durante a ressonância magnética. Depois supervisionou a radiografia do tórax, mandando repetir o exame. Ela logo ligou para o cirurgião (João) para dar as boas notícias. Eu estava ótimo. Só que o cirurgião já estava no hospital à minha procura. Foi assim que minha sonda foi retirada. Foi assim que eu tive alta. Só que eu não disse o principal, que só vim a saber pouco depois. Eu disse que não tinha ânimo sequer para orar, mas, enquanto almoçava no restaurante do hospital, minha esposa orava para a Márcia chegar. Deus não só mandou a Márcia, como mandou o João na mesma hora. "Quem é comparável a ti, oh Deus?"Por me amar é que Ele me mostra o que é bom: que eu pratique a justiça, ame a misericórdia e ande humildemente com o meu Deus (Miqueias 6.8) Apesar do eventual desânimo, por alguma fragilidade, é praticando estas verdades que posso viver feliz.

3. Feliz é quem sabe que os seus pecados têm conseqüências e que conhece aforça da graça de Deus por meio de Jesus Cristo. Nem todos os nossos problemas são conseqüências dos nossos pecados, mas alguns são. É agradável reconhecer a primeira parte da frase, mas difícil reconhecer a segunda. No máximo, quando a reconhecemos, logo emendamos que somos perdoados. E somos mesmos. E sem merecer. Tudo pela graça.

Mas a graça é mãe e filha do arrependimento. A certeza da graça nos torna livres para pedirmos o perdão. Não somos como o filho pródigo que voltou na expectativa de quem sabe seu pai o recebesse não como filho mas como empregado. Nós agora sabemos, por causa de Jesus, que somos recebidos de braços abertos. Aquele filho prodigo não tinha uma boa teologia, mas teve uma boa prática. Ele reconheceu que não era digno do amor do seu pai, mas assim mesmo voltou.

Quem sabe... Nós temos uma boa teologia, aprendida com Miqueias:Oh, Deus, tu "perdoas o pecado e esqueces a transgressão do remanescente da sua herança. (...) Tu, que não permaneces irado para sempre, mas tens prazer em mostrar amor. De novo terás compaixão de nós; pisarás as nossas maldades e atirarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar."(Miqueias 7.18-9)

Feliz é quem tem uma boa teologia, que a leve a uma boa prática, a prática de reconhecer o seu pecado, como fez o profeta:"Por eu ter pecado contra o Senhor, suportarei a sua ira até que ele apresente a minha defesa e estabeleça o meu direito. Ele me fará sair para a luz; contemplarei a sua justiça". (Miqueias 7.8-9). Feliz é o filho que não deixa a casa do Pai mas, tendo saído, volta. Feliz é quem evita pecar, mas, diante da impossibilidade, tendo pecado, arrepende-se. Doi reconhecer o pecado. Doi admitir que somos escravos. Doi saber que somos miseráveis pecadores.Quando há confissão desse pecado, há alegria na graça.

É a graça que nos restaura. O profeta canta:"Não se alegre a minha inimiga com a minha desgraça. Embora eu tenha caído, eu me levantarei. Embora eu esteja morando nas trevas, o Senhor será a minha luz".(Miqueias 7.8)

Feliz é quem sabe que não deseja cair, mas, se cair, Deus o levantará. Ah como é bom saber que pecado confessado é pecado ancorado no fundo do mar. Ah como é bom saber que, mesmo habitando numa pocilga necessariamente provisória, mesmo morando nas trevas (Miqueias 7.8), levado pelo pecado, o perfume de Deus sobressairá sobre o cheiro da porcaria, a luz de Deus brilhará e dissipará a escuridão da culpa, do medo e da desolação. Como é bom saber que somos convidados a, todos os dias, buscar o que é bom e o bom é praticar a justiça, amar a misericórdia e andar humildemente diante de Deus.

4. Feliz é quem sabe que Deus fala e ouve. A confissão do profeta Miqueias nos leva para o território da esperança."Mas, quanto a mim, ficarei atento ao Senhor, esperando em Deus, o meu Salvador, pois o meu Deus me ouvirá".(Miqueias 7.7) Olho para os meus irmãos e vejo como isto é verdade nas suas vidas, muitasvezes mais que na minha.Não há dúvida: quando ficamos atentos a Deus, ouvimos Deus falar e fazer.Quando ficamos desatentos, as ações de Deus são apenas coincidências e acasos. É a fé que nos permite sintonizar a voz de Deus.

Imagino o profeta em meio aos alaridos, até mesmo louvores. Imagino o profeta aturdido com o barulho da sua gente que não estava nem aí paraDeus, vivendo como se Deus não existisse. Imagino o profeta sendo arrastado para cultuar um bezerro de ouro qualquer. Imaginando o profeta diante de um programa evangélico de televisão, com muito grito, muita culpa, muita promessa, muita mágica, pouca reflexão, pouca cruz, pouca graça, pouco Deus.

De repente, como se livrando das correntes da procissão e da moda, ele diz:"Quanto a mim" ou "Eu, porém". Não. Não é isto que eu quero. Não é nisto que eu creio. Eu quero um culto em que Deus tenha a oportunidade de falar.É a Ele que quero ouvir.Ficar atento ao Senhor, esperar no Senhor, saber que Ele ouve é pôr em prática a confiança. Quando estamos num culto, afirmamos nossa confiança em Deus como Aquele que ouve, Aquele que supre. Então, prometemos que viveremos para o louvor da Sua glória (Efesios 1). Aí chega asegunda-feira, com as ameaças e as seduções do mundo real, sem a proteção da comunidade que crê como nós cremos, sem várias pessoas nos dizendo "Deus te abençoe e te guarde..."

Esta é a hora de confiar na prática, não na teoria do culto, não no arrebatamento do altar, não na contemplação dacruz, não no êxtase da adoração. Na teoria confiar é maravilhoso, mas na prática, que dificuldade. Gostamos da esperança e a esperança outra coisa não é senão a confiança posta em prática.

E "a esperança tem duas filhas lindas: a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las" (Agostinho)."Quanto a mim"/"Eu, porém" é o exercício da minha indignação contra a minha desatenção à voz de Deus. "Quanto a mim"/"Eu, porém" é a coragem de por a caminho para mudar o que deve ser mudado a partir de mim. Se estou desatento, mudarei para ficar atento. Se não estou esperando em Deus, mudarei para ser um esperante. Se não estou confiante, mudarei, para saber que Deus me ouvirá. É confiando na prática que viverei como o Senhor quer, praticando a justiça, amando a misericórdia, andando humildemente com o meu Deus.

5. Preciso insistir neste ponto. Feliz é quem, não importa como o mundo vive, diz "quanto a mim/"eu, porém", viverei com os olhos fixados em Deus.O que importa para o meu Senhor é o que me importa.Então, penso nos empresários realmente cristãos, cujos negócios, não apenas eles, são também cristãos. Que alegria é conhecer esses empresários. Penso nos profissionais realmente cristãos que, em seus trabalhos, ficam de fora, perdendo dinheiro e prestígio, porque não compartilham as mesmas rodas e nem as mesmas práticas dos colegas.

Penso nos cônjuges realmente cristãos, às vezes vivendo situações que não lhes alegram, mas permanecem fiéis aos seus compromissos conjugais, esforçando-se para que tudo volte às boas, orando para que o que foi rompido se reconecte. Que alegria é conhecer cônjuges que se sacrificam pelo outro, às vezes contra a esperança, mas não como um fardo.

Penso nos namorados realmente cristãos, que escolheram guardar seus corpos puros para o casamento, mesmo que seus colegas e suas colegas tenham outras práticas, mesmo que os seus professores ensinem o contrário, mesmo que os meios de comunicação ridicularizem os que preferem ficar fora da boiada.

ue alegria é conhecer meninos e meninas (como eles se chamam a si mesmos) com caráter próprio, formado à luz da Palavra de Deus e não ao sabor das palavras dos homens.Essas são pessoas cheias do poder de Deus. Claro: não poderiam triunfar por si mesmos, porque não há um justo sequer -- não é o que diz Miqueias?(Miqueias 7.2)

Então, eu me surpreendo novamente com o profeta. No capítulo 3, ele descreve novamente os desatinos dos líderes do povo, líderes que "detestama justiça e pervertem tudo o que é justo" (Miqueias 3.9), com magistrados que "julgam sob suborno", com sacerdotes que ensinam visando lucro e comprofetas adivinhando "em troca de prata" (Miqueias 3.11), proclamando paz aquem lhes paga, mesmo que estejam até o pescoço na lama, e declarando guerra contra que não lhes alimenta (Miqueias 3.5).

Depois de protestarcontra aqueles que deveriam conhecer a justiça, "mas odeiam o bem e amam o mal" (Miqueias 3.2), o profeta do Antigo Testamento para e vê que há nele o mesmo potencial de fazer o que é errado que há nos outros e então, ousadamente, exclama, como se fosse um poeta do Novo Testamento:"Mas, quanto a mim, graças ao poder do Espírito do Senhor, estou cheio de força e de justiça, para declarar a Jacó a sua transgressão, e a Israel o seu pecado".(Miqueias 3.8)

Eu me alegro com aqueles que compreendem que permanecem com os olhosfixados em Deus por causa da Sua graça. É Ele quem nos enche de força ejustiça. Por nós mesmos, só colecionaremos fracasso e culpa.

Um episódio do cristianismo recente nos ajuda na compreensão de quãocentral deve ser em nossas vidas o poder do Espírito Santo. No início de2009, saiu no Brasil um valioso e tijoloso livro sobre "A arte e ofício dapregação" (São Paulo: Shedd, 2009. 887p.), com 201 artigos, escritos pordezenas de autores. Vi os nomes dos colaboradores, quase todosnorte-americanos, e suas apresentações bem resumidas. Um me chamou aatenção: Ted Haggard. Eu disse: não é possível. Bem, o livro saiu em inglêsem 2005 e Haggard ainda era o pastor de uma igreja de milhares de membros epresidente de uma associação evangélica, cujo principal programa eracombate o homossexualismo.

Li o que Haggard escreveu: era sobre asantidade. Meses depois de o livro sair em inglês, Haggard foi denunciadopor um relacionamento homossexual, que não foi o único caso na sua vida.Foi um escândalo que repercutiu no mundo todo e a voz que ocupava todos osespaços nos meios de comunicação foi calada, restando-lhe apenas oostracismo. Simplesmente, ninguém mais crê nele. A história de Haggard me veio ao ler o livro em que ele colabora e aomeditar na evangélica expressão de Miqueias: é "graças ao poder do Espíritodo Senhor [que] estou cheio de força e de justiça, para declarar a Jacó asua transgressão, e a Israel o seu pecado" (Miqueias 3.8). Não podemos por nós mesmos, mas podemos tudo nAquele que nos fortalece. ÉnEle que está a garantia da felicidade.

É Ele quem nos livra de nós mesmos.Feliz é quem vive no poder do Espírito Santo, de Quem recebe força e capacitação para a prática da justiça, para a paixão pela misericórdia epara o desejo de andar humildemente com Deus e diante de Deus.Eu me alegro com aqueles que querem viver assim, sem a falsa segurança desuas realizações, mas na segura segurança do poder de Deus.

Eu me alegro com aqueles que, levando a sério a graça de Jesus, procuram serevestir do poder do Espírito Santo para ouvir e viver, conforme Deusespera:"Ele te declarou, o homem, o que é bom; e que é o que o Senhor requer deti, senão que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andeshumildemente com o teu Deus?"(Miqueias 6.8)

"Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". Jo 16.33

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Você sabe a origem da expressão "Espírito de Porco"...

LIVRE DO CÁRCERE
PARA UMA VIDA COM PROPÓSITO
Pr Edilson Botelho Nogueira – Igreja Shalom 29-2-004
Marcos 5.1-20

Para saber mais:
http://www.igrejashalom.org.br/Mensagens/Livre_Carcere_Vida_com_Proposito.htm

terça-feira, 21 de abril de 2009

Convite: Vem conosco!

Diálogo entre a Igreja e o mundo

Anotações sobre mensagem do Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho em 01/03/2009

Números 10:29-32

"Disse então Moisés a Hobabe, filho de Reuel, o midianita, sogro de Moisés: Nós caminhamos para aquele lugar, de que o SENHOR disse: Vo-lo darei; vai conosco e te faremos bem; porque o SENHOR falou bem sobre Israel. Porém ele lhe disse: Não irei; antes irei à minha terra e à minha parentela. E ele disse: Ora, não nos deixes; porque tu sabes onde devemos acampar no deserto; nos servirás de guia. E será que, vindo tu conosco, e sucedendo o bem que o SENHOR nos fizer, também nós te faremos bem."


Na teologia do deserto, apresentam-se perspectivas e propósitos inusitados, para além das miragens tão comuns naquele ambiente. São sonhos realizáveis, em oposição ao dilema humano. Entre o que Deus oferece e o deserto existencial em que o homem se encontra, onde só há aridez, desesperança e visão "geográfica", ou seja: falta de perspectiva.

No texto bíblico acima, sobressaem três expressões:

1 - "Vamos ao lugar que o Senhor disse: Eu o darei a vós."

Traduz-se em profunda consciência da presença de Deus. "O Deus dos hebreus nos encontrou" (Êxodo 3:18 e Êxodo 5:3). A igreja é uma comunidade peregrina. Ela tem uma promessa e uma herança:

"Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também." (João 14:1-3)

2 - "Vem conosco e te faremos bem, pois o Senhor falou bem a Israel"

É um convite para o bem. Para a experiência do cuidado de Deus versus a cooptação para uma ideologia (religiosa ou não).

Vem provar! O Evangelho redimensiona, abre horizontes e perspectivas.

Este não é um convite para "penetras". Compare-se o progresso de vida dos que aceitaram o convite com aqueles que o rejeitaram.

Na igreja há amigos mais chegados que irmãos (Provérbios 18:24). Oramos uns pelos outros, choramos uns pelos outros.

"Deus faz que o solitário viva em família; liberta aqueles que estão presos em grilhões; mas os rebeldes habitam em terra seca." (Salmos 68:6)

3 - "Tú serás os nossos olhos"

Precisamos de você. Na igreja, você será útil. Há muitos talentos desperdiçados no mundo, quando poderiam ter tanta utilidade nas mãos de Deus. Deus não chama os capacitados, mas capacita os chamados:

"Vos farei pescadores de homens" (Mateus 4:19, Marcos 1:17 e Lucas 5:10)

CONCLUSÃO: Hobabe aceitou o convite (Juízes 4:8). E você? Deus pode fazer algo grandioso em sua vida. Vem conosco! Assuma um novo projeto de vida. Saia do seu deserto.

Para saber mais:
Segunda Igreja Batista no Plano Piloto

Conhecendo a vontade de Deus

Esta reflexão é muito inspirativa, especialmente à luz dos textos bíblicos abaixo:

Romanos 12:1 - 3

"Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus, repartiu a cada um."

Romanos 8.28-30

"E sabemos que todas as coisas cooperam juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou."

Malaquias 3:3,4

"Assentar-se-á como fundidor e purificador de prata; purificará os filhos de Levi,e os refinará como ouro e como prata. Então eles trarão ao Senhor ofertas em retidão, e as ofertas de Judá e de Jerusalém serão aceitáveis ao Senhor, como nos dias antigos,e como nos primeiros anos".

"Os dias em que vivemos são muito diferentes de quando esta palavra foi escrita. Para compreendermos esta palavra, precisamos entender como um fundidor trabalhava, porque o Senhor diz no versículo 3 que: "Assentar-se-á como fundidor e purificador de prata". Neste tempo o fundidor usava um cadinho (vaso de argila refratária utilizado em operações químicas a temperaturas elevadas, parte do forno em que se realiza a fusão). O fundidor se assentava ao lado do cadinho, enquanto a prata era submetida à alta temperatura, até que estivesse purificada.

O que me chamou à atenção foi o ponto da purificação da prata. A prata não poderia ser tirada antes porque sairia com impurezas, e nem depois, porque não se poderia trabalhar com ela. Daí a necessidade de se assentar ao lado do cadinho para não se perder o ponto da purificação,e assim poder trabalhar com a prata.O fundidor assentava-se ao lado do cadinho e ficava olhando para a prata, para que no ponto exato da purificação pudesse tirá-la do forno:o ponto exato era quando a prata refletia a imagem do fundidor. Aleluia!

Somos submetidos à temperaturas altas,para sermos purificados,mas como o fundidor se assentava ao lado da prata, para não perder o ponto da purificação,o Senhor está ao nosso lado. No momento exato da purificação,quando refletirmos sua imagem,ele nos tirará do forno para sermos usados por ele.

O mundo deseja ver Deus, e Deus deseja que o mundo o veja através de nós. Quando Filipe disse ao Senhor: "mostra-nos o Pai e isso nos basta"; Jesus respondeu: "Quem me vê,vê o Pai".Assim como a prata refletia a imagem do fundidor,que nós possamos refletir a imagem de Deus. E como Cristo é a imagem do Pai, nós sejamos imitadores de Cristo para que o mundo, ao olhar para nós veja o Pai."

"Então eles trarão ao Senhor ofertas de retidão, e as ofertas de Judá e de Jerusalém serão aceitáveis ao Senhor, como nos dias antigos, e como nos primeiros anos".

segunda-feira, 23 de março de 2009

A sordidez do poder humano versus a sublimidade do poder de DEUS!

Leitura recomendada:
As 48 leis do poder
"Respondeu-lhes Jesus: Errais não conhecendo as Escrituras nem o PODER DE DEUS"
(Mt 22.29)






O Poder do Silêncio

J Y Leloup

Aprende com o silêncio a ouvir os sons interiores da sua alma,

a calar-se nas discussões e assim evitar

tragédias e desafetos...

Aprende com o silêncio a aceitar alguns fatos que você provocou,

a ser humilde deixando o orgulho gritar lá fora,

evitar reclamações vazias e sem sentido...

Aprende com o silêncio a reparar nas coisas mais simples,

valorizar o que é belo, ouvir o que faz algum sentido...

Aprende com o silêncio que a solidão não é o pior castigo,

existem companhias bem piores...

Aprende com o silêncio que a vida é boa,

que nós só precisamos olhar para o lado certo,

ouvir a música certa, ler o livro certo.

Aprende com o silêncio que tudo tem um ciclo,

como as marés que insistem em ir e voltar,

os pássaros que migram e voltam ao mesmo lugar,

como a Terra que faz a volta completa

sobre o seu próprio eixo,

complete a sua tarefa.

Aprende com o silêncio a respeitar a sua vida,

valorizar o seu dia,

enxergar em você as qualidades que você possui,

equilibrar os defeitos que você tem

e sabe que precisa corrigir

e enxergar aqueles que você ainda não descobriu.

Aprende com o silêncio a relaxar, mesmo no pior trânsito,

na maior das cobranças, na briga mais acalorada,

na discussão entre familiares...

Aprende com o silêncio a respeitar o seu "eu",

a valorizar o ser humano que você é,

a respeitar o Templo que é o seu corpo,

e o Santuário que é a sua vida.

Aprende hoje com o silêncio, que gritar não traz respeito,

que ouvir ainda é melhor que muito falar...

Na natureza tudo acontece com poder e silêncio,

com um silêncio poderoso; por vezes,

o silêncio é confundido com fraqueza, apatia ou indiferença.

Pensa-se que a pessoa portadora dessa virtude

está impedida de reclamar seus direitos

e deve tolerar com passividade todos os abusos.

Acredita-se que o silêncio não combina com o poder,

pois este tem se confundido com prepotência e violência.

O Sol nasce e se põe em profunda quietude;

move gigantescos sistemas planetários,

mas penetra suavemente pela vidraça de uma janela

sem a quebrar.

Acaricia as pétalas de uma rosa sem a ferir,

e beija as faces de uma criança adormecida

sem a acordar;

aí uma vez vamos encontrar na natureza lições preciosas

a nos dizer que o verdadeiro poder anda de mãos dadas

com a quietude.

As estrelas e galáxias descrevem as suas órbitas

com estupenda velocidade pelas vias inexploradas do cosmos,

mas nunca deram sinal da sua presença

pelo mais leve ruído.

O oxigênio, poderoso mantenedor da vida,

penetra em nossos pulmões,

circula discreto pelo nosso corpo,

e nem lhe notamos a presença.

A luz, a vida e o espírito, os maiores poderes do universo,

atuam com a suavidade de uma aparente ausência.

Como nos domínios da natureza,

o verdadeiro poder do homem

não consiste em atos de violência física,

quando um homem conquista o verdadeiro poder,

toda a antiga violência acaba em benevolência.

A violência é sinal de fraqueza,

a benevolência é indício de poder.

Os grandes mestres sabem ser severos e rigorosos

sem renegarem a mais perfeita quietude e benevolência.

Deus, que é o supremo poder,

age com tamanha quietude que a maioria dos homens

nem percebem a Sua ação.

Essa poderosa força, na qual todos estamos mergulhados,

mantém o Universo em movimento,

faz pulsar o coração dos pássaros,

dos bandidos e dos homens de bem,

na mais perfeita leveza.

Até mesmo a morte, chega de mansinho e,

como hábil cirurgiã, rompe os laços

que prendem a alma ao corpo, libertando-a

do cativeiro físico.

O verdadeiro poder chega:

sem ruído, sem alarde e sem violência.

Sempre que a palavra poder lhe vier à mente,

lembre-se do Sol: nasce e se põe em profunda quietude;

move gigantescos sistemas planetários,

mas penetra suavemente pela vidraça de uma janela

e você só sabe pelo calorzinho que ele proporciona.

Acarinha as pétalas de uma flor sem a ferir,

beija as faces de uma criança adormecida sem a acordar.

"Bem aventurados os mansos, porque eles possuirão a Terra".

"Boa Terra em teus pés, Água o bastante em tua semente,

bom Vento para o teu sopro, Fogo em teu coração e

muito Amor em teu ser.”

"O êxito ou o fracasso de sua vida não depende

de quanta força você põe em uma tentativa,

mas da persistência no que fizer."

E em respeito a você, eu me calo, me silencio,

para que você possa ouvir o seu interior que quer lhe falar,

desejar-lhe uma vida vitoriosa .

Desejo uma semana de Paz e Silêncio para você.

Fonte: Castelo dos Sonhos

13 Julho 2009


domingo, 1 de março de 2009

A Igreja precisa crescer

Mensagem proferida pelo Pr. Isaltino Coelho Filho (http://www.isaltinogomes.com/), em 28/02/2009, por ocasião das celebrações pelo 47º aniversário de fundação da Segunda Igreja Batista do Plano Piloto, em Brasília – DF (http://www.sibpp.org.br/), conforme apreendida por este seu ex-aluno de homilética na FTBB (http://www.ftbb.org.br/).

Texto bíblico:
“Assim, pois, a igreja em toda a Judéia, Galiléia e Samaria, tinha paz, sendo edificada, e andando no temor do Senhor; e, pelo auxílio do Espírito Santo, se multiplicava.” Atos 9:31

Introdução:

É preciso contextualizar o texto no seu contexto. O capítulo 9 do livro de Atos dos Apóstolos, no Novo Testamento, é um divisor de águas, um texto de transição. Até o capítulo 8 a igreja era judaica. A partir da conversão de Saul (hebraico) para Paulo (romano), a Igreja se universaliza.
Após o registro de vários milagres operados pela ação do Espírito Santo na vida de Pedro: o Apóstolo judeu, o último versículo do capítulo 9 de Atos, o de referência nº 43, apresenta um detalhe que costuma passar despercebido: Pedro se hospedando por muitos dias na casa de Simão, o curtidor. Ora, que inusitado, um judeu ter tal intimidade com alguém que tocasse mortos ou qualquer coisa considerada impura e o curtidor era alguém cuja profissão trabalhava a pele, o couro de animais mortos.
Em seguida, Pedro se vê impelido aos gentios pelo Espírito Santo, como já sucedera com Filipe no capítulo anterior (Atos 8:5,26), e por intermédio de um sonho didático é preparado para encontrar-se com Cornélio, o centurião romano de Atos 10:22.
No verso 31 do capítulo 9 de Atos, temos que o crescimento da Igreja precisa ocorrer em quatro dimensões: para dentro, para baixo, para cima e para fora.
1 – A Igreja precisa crescer para dentro: “...a igreja em toda a Judéia, Galiléia e Samaria, tinha paz...”
A Igreja já se espalhara por toda a Judéia, Galiléia e Samária, pois tinha PAZ. Este atributo, um dos gomos do Fruto do Espírito (Gálatas 5:22), precedeu tudo o mais que se seguiu a partir daí.
Uma igreja onde não haja paz perde toda a autoridade para testemunhar ao mundo. Em Mateus 17:21, o Senhor Jesus Cristo intercede pela sua Igreja no sentido de que todos sejam um nEle como Ele o é com o Pai, a fim de que o mundo creia...
Em Efésios 2:14 a 19, Paulo registra o propósito de Deus cumprido, o que desautoriza aquele cântico “Pai faz-nos um”, pois Ele já fez. Resta-nos apropriarmo-nos disso, ao invés de nos digladiarmos em partidarismos, vaidades e hipocrisias divisórias, tais como a da ilustração abaixo:
O leão acordou em sua jaula do zoológico e percebeu que a porta estava aberta. Cautelosamente saiu e, passando pela jaula do macaco, este lhe perguntou aonde ia. Respondeu-lhe que ia resgatar a glória de seus antepassados dilaceradores de cristãos nas arenas do Coliseu romano. O macaco disse-lhe que deveria atualizar-se, pois os cristãos dominaram o mundo, agora são vaidosos e presunçosos. Ao que o leão lhe perguntou quem os devorava agora e o macaco respondeu que eram eles próprios.
Missões e Evangelismo, conquanto comissões primárias da Igreja, dependem do pré-requisito de relacionamentos pacíficos de amor entre seus membros. No contexto da oração sacerdotal do Senhor, são conseqüência e não um fim em si mesmos.
Para tanto, precisamos passar à próxima dimensão do crescimento da Igreja:
2 – A igreja precisa crescer para baixo: “...sendo edificada...”
Uma casa sem alicerces não pode subsistir. É como uma casa edificada sobre a areia, quando deveria ser edificada sobre a ROCHA.
“Ele é a Rocha; suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são justos; Deus é fiel e sem iniqüidade; justo e reto é ele.” Deuteronômio 32:4
“Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” I Coríntios 3:11
“...edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício bem ajustado cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito.” Efésios 2:20-22
3 – A Igreja precisa crescer para cima: “...e andando no temor do Senhor;...”
Os caminheiros de Emaús (Lucas 24:31,32), após uma jornada ao lado do Senhor Jesus ressurreto, só o reconheceram por que tiveram intimidade bastante para discernir seu ensino, seu gestual, etc.
“Abriram-se-lhes então os olhos, e o reconheceram; nisto ele desapareceu de diante deles. E disseram um para o outro: Porventura não se nos abrasava o coração, quando pelo caminho nos falava, e quando nos abria as Escrituras?”
O próprio Senhor se identificou como um verdadeiro pastor de ovelhas em contraste com o mercenário:
“A este o porteiro abre; e as ovelhas ouvem a sua voz; e ele chama pelo nome as suas ovelhas, e as conduz para fora.” João 10:3
“Mas o que é mercenário, e não pastor, de quem não são as ovelhas, vendo vir o lobo, deixa as ovelhas e foge; e o lobo as arrebata e dispersa. Ora, o mercenário foge porque é mercenário, e não se importa com as ovelhas.” João 10:12,13
Além do auxílio pastoral legítimo, é necessário crescer também em santidade, o que só pode ser obtido na presença de Deus, mediante a sujeição à disciplina do Espírito Santo operando em nós.
“Mas, se estais sem disciplina, da qual todos se têm tornado participantes, sois então bastardos, e não filhos. Além disto, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e os olhávamos com respeito; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e viveremos? Pois aqueles por pouco tempo nos corrigiam como bem lhes parecia, mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade.” Hebreus 12:8
Por fim, o crescimento para cima deve materializar-se em ações concretas neste mundo. A contemplação, embora tenha o seu lugar na adoração, precisa resultar em transformação da realidade em todas as suas dimensões e implicações.
“E eis que estavam falando com ele dois varões, que eram Moisés (Lei) e Elias (Profetas), E, quando estes se apartavam dele, disse Pedro a Jesus: Mestre, bom é estarmos nós aqui: façamos, pois, três cabanas, uma para ti, uma para Moisés, e uma para Elias, não sabendo o que dizia. Enquanto ele ainda falava, veio uma nuvem que os cobriu; e se atemorizaram ao entrarem na nuvem. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho, o meu eleito; a ele ouvi. Ao soar esta voz, Jesus foi achado sozinho; e eles calaram-se, e por aqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto. Lucas 9:30-36 [Grifos nossos]
4 – A Igreja precisa crescer para fora:
No dia seguinte, quando desceram do monte, veio-lhe ao encontro uma grande multidão. E eis que um homem dentre a multidão clamou, dizendo: Mestre, peço-te que olhes para meu filho, porque é o único que tenho; pois um espírito se apodera dele, fazendo-o gritar subitamente, convulsiona-o até escumar e, mesmo depois de o ter quebrantado, dificilmente o larga. E roguei aos teus discípulos que o expulsassem, mas não puderam. Respondeu Jesus: Ó geração incrédula e perversa! até quando estarei convosco e vos sofrerei? Traze-me cá o teu filho. Ainda quando ele vinha chegando, o demônio o derribou e o convulsionou; mas Jesus repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou a seu pai. E todos se maravilhavam da majestade de Deus. E admirando-se todos de tudo o que Jesus fazia, disse ele a seus discípulos: Ponde vós estas palavras em vossos ouvidos; pois o Filho do homem está para ser entregue nas mãos dos homens.” Lucas 9:37-44 [Grifos nossos]
Conclusão:
E você? O que tem feito? Tem crescido para dentro, em paz? Para baixo, em Cristo? Para cima, no temor de Deus? E para fora, no testemunho de vida transformada e transformadora?